3765c625

O Ponto Final

No dia em que você partiu,

O chão se abriu,

O álcool acabou,

A cinza do charuto caiu,

Os óculos embaçaram,

A lágrima secou,

Meu coração explodiu,

Os lábios se calaram,

Porque não havia mais incerteza…

Era o fim deste capítulo,

Sem direito à pausa ou reprise.

Há algo dentro de mim que ainda insiste

E que se recusa em dar o ponto final,

Porque esse ponto sou eu.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior : .

Rio Bonito, 31 de julho de 2018.

politics19_a1ma

Perdemos o direito ao esquecimento

Antes do advento da tecnologia da informação, da internet e da popularização dos portáteis e das redes sociais, as pessoas podiam ser mais inconsequentes e com pouca preocupação com a memória coletiva, tendo em vista que os erros do passado eram esquecidos com o decorrer do tempo, salvos os parentes chatos nas reuniões em família. Quando o erro era algo grave, bastava mudar de cidade e estava tudo solucionado. Todavia, a era contemporânea, com suas selfies, filmagens, publicações no Facebook, LinkedIn, Twitter e Google Plus (G+) acabou com a possibilidade do esquecimento, enquanto que a cereja do bolo está no fato de que os próprios indivíduos estão construindo seus perfis e linhas do tempo, gerando links e logaritmos na internet e nos servidores de busca, para que essas informações sejam analisadas pelos gestores de pessoas, departamentos de recursos humanos e outros especialistas.

No Brasil, já existem organizações que fazem a pesquisa das informações dos candidatos na internet, enquanto que os resultados interferem na seleção, recrutamento e promoção, podendo atrapalhar o ingresso na carreira ou provocar a demissão do profissional, caso sua conduta na vida pessoal comprometa o código de ética estabelecido pela empresa. Por isso, a exposição da vida privada no mundo virtual se tornou um imperativo na medição de cada palavra e imagem no momento da publicação, porque o comentário inocente de hoje poderá ser sua ruína pessoal amanhã, ora na carreira profissional ou na hora de fechar o negócio da sua vida. Logo, é importante que a pessoa se atente para o fato de evitar a exposição no mundo virtual, principalmente, com fotografias em festas, com bebidas e situações constrangedoras.

O Jornalismo brasileiro, no geral, comete erros contínuos na publicação das resenhas, gerando o famoso “FAKE NEWS”, que não começou na publicação inocente ou intencional de um perfil nas redes sociais ou num blog, mas nos tabloides físicos e virtuais, que levantam hipóteses ou deixam a entender no ar para a massa, induzindo uma informação, cujo parâmetro não foi analisado e ainda não ocorreu e, por tal motivo, poderá nunca acontecer. E assim, os partidos políticos, a imprensa e os órgãos fiscalizadores fizeram o acordo de combater àquilo que escrevem, colocando a culpa no outro, que é estranho, opositor e desconhecido. O próprio jornalismo brasileiro e mundial se esqueceu da memória virtual, com os registros dos seus dados, logaritmos e links, quando a internet registra e está com a informação ali para te lembrar de cada palavra escrita, fotografia materializada e matéria publicada, porque perdemos o direito ao esquecimento.

No final das contas, enquanto os políticos fichas-sujas impetram ações para que os provedores de busca apaguem as informações negativas em suas pesquisas para forçarem o estabelecimento do “direito ao esquecimento”, e as empresas jornalísticas fazem o trabalho de marketing, apresentando a versão 2.0 de si mesmas para a opinião pública, cometendo os mesmos erros de antes, faço questão de registrar cada palavra e fato às futuras gerações, porque até o advento da internet, a História era a história dos vencedores, mas a era digital abriu o espaço para a memória contínua, permitindo que todos tenham suas histórias registradas para a pesquisa, o estudo ou o julgamento da posteridade.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior : .

lua

Jornalismo Poético de 24/07/2018

Incêndio em larga escala na Grécia,

Com centenas de mortos.

Uma barragem se rompeu no Laos,

E centenas desaparecem nas águas.

Essa foi uma semana de tragédia,

Com tempero de desordem e caos.

 

Na sexta-feira, teremos singularidades,

Com direito ao eclipse lunar e a lua de sangue.

No Brasil, o inverno só existe na região sul.

A massa de ar quente impede…

O Avanço da frente fria no país.

No Rio de Janeiro o calor está intenso.

O clima pede pouca roupa,

Com o corpo quase nu,

Seguindo o uso e o costume.

 

O Novo filme “Missão Impossível” é aclamado,

Sendo considerado o melhor desde o primeiro.

Não sei o que a crítica quis dizer com isso.

A Novela “Segundo Sol” prende a atenção do público,

Mas, em ano eleitoral, é preciso mudar o foco,

A Rede Globo coloca o “The Voice Brasil” em dois dias da semana,

Com a audiência explodindo, como planejado,

Enaltecendo a indústria do banal.

 

Alteraram a regra do cartão de crédito.

Aumentaram o número dos inadimplentes.

Os bancos se enriqueceram com tantos débitos.

A conta d`água subiu.

A criança que passeava pela rua sorriu,

Enquanto que o salário do mês sumiu

Para cobrir as despesas do trimestre passado,

Convivendo com o masoquismo da dor do dente.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

20140912_173339_R. Santa Clara

A Herança do Shabat

Enquanto o mundo prende sua atenção ao material,

Faço o caminho contrário,

Porque é imperativo viver o real,

E manter-se íntegro diante do fato

De que faço parte de um rio,

Cuja nascente é o passado

E seu curso segue para o futuro,

Acompanhando o fluído do espírito.

 

Mesmo diante das tribulações do presente,

Com suas contradições históricas,

Não se deixe levar pelas mentiras da mente,

Pois, por mais que se façam heroicas,

As conquistas sagradas se fizeram sobre o sangue,

A escravidão e a exploração dos inocentes.

 

Quando o mundo insiste em fazer guerras,

As religiões ocidentais se limitam à oração,

Guardando o domingo como o dia santo.

O fantasma da política assombra toda nação,

Debochando da ignorância das criaturas,

Contrariando a essência das escrituras.

Assim, o sagrado virou profano,

Recebendo o valor monetário.

 

Quando a corrente majoritária estabelece o errado,

Sigo o meu caminho no exílio,

Sem uma casa de oração ou um rabino,

Porque finquei minhas raízes na cidade de Rio Bonito.

Enquanto todos rezam para o Messias e guardam o domingo,

Faço questão de aguardá-lo,

Festejando e em regozijo todos os sábados.

 

Minha amada e querida Sophia,

No momento da minha partida,

Enquanto os ricos deixam o formal de partilha,

Farei justamente o contrário,

Deixando de herança a Paz e a Festa do sábado,

Com a Torá, o Sidur, as velas e os enlutados…

E nada mais.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior : .

Rio Bonito, 21 de julho de 2018.

perseverancia

De que adianta ser o vencedor, se você está sozinho?

O mercado não tem coração, pois somente os melhores conseguem passar por sua peneira, cheia de critérios, exigências, competências, talentos e habilidades. Por isso, é muito fácil compreender os motivos de tanta competitividade, principalmente, entre os mais jovens.

A competição é saudável e necessária na atualidade para que a pessoa possa medir seus limites e compreender o próprio desenvolvimento, identificando seus pontos fortes e fracos. Todavia, é importantíssimo que você compreenda o fato de que todos ganham em qualquer competição, chegando na primeira colocação ou na última: – A Experiência e o conhecimento de si e do ambiente envolvido no experimento.

Normalmente, os livros da teoria geral da administração e toda a literatura clássica conhecida incentivam a competição e supervalorizam o primeiro lugar, o vencedor, o melhor dos melhores, dedicando a variedade das metodologias para que as pessoas sejam estimuladas a se desenvolverem, para chegarem ao topo, quando essa posição é para poucos e se pensa a sociedade e o trabalho humano verticalmente. Dessa forma, meu foco será justamente a minoria, as pessoas que não conheceram a derrota ou que foram protegidas pelo sistema para não conhecê-las propositalmente.

É óbvio que ser o primeiro lugar em tudo não é fácil, enquanto que a manutenção dessa condição é insustentável nas condições ambientais abertas, sem que haja a interferência de terceiros e a acomodação dentro do aquário da vida profissional e afetiva, pelo simples fato de que o Homem não pode saber e dominar tudo, principalmente, na velocidade em que o conhecimento está crescendo, diante de tanta inovação e o processo de criação. Logo, o inimigo número da humanidade é a ignorância, cujo tamanho é multiplicado inúmeras vezes, quando a pessoa se especializa em determinado assunto.

Há uma tendência comum entre os vencedores na jornada da vida em medirem suas conquistas e o respeito pelo patrimônio financeiro e intelectual construídos, quando se sentam com seu grupo restrito de amigos para se gabarem daquilo ou disso. E por maiores que sejam suas conquistas, conteúdo literário e acadêmico, sem dúvida alguma, vem a solidão no final da noite e a sensação do vazio, porque os verdadeiros vencedores são poucos e vivem o narcisismo sozinhos, até o momento em que a consciência social desperta, permitindo sua saída voluntária do pedestal, convivendo e reaprendendo o mundo real com a maioria, sem culpa, dor, julgamento ou hierarquia, porque o mundo é constituídos de pessoas e nada mais. E será nesse momento que o vencedor verá que ele poderia ter mudado tudo desde o início, quando ele subiu na primeira posição do pódio, isolando-se do mundo, e poderia ter participado da festa no chão da fábrica a vida inteira.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior : .

Rio Bonito, 16 de julho de 2018.

whatsapp-image-2018-07-15-at-12-00-35

Luis Felipe Nogueira Boareto é o novo Venerável Mestre da Loja Guanabara nº IV, no oriente de Rio Bonito

O dia 14 de julho é uma data importantíssima para o calendário maçônico e da história da humanidade, uma vez que esta data registra a queda da Bastilha em 1789 e o auge da Revolução Francesa, cuja essência se sustentou nos princípios maçônicos da LIBERDADE, IGUALDADE e  FRATERNIDADE.

Seguindo a tradição maçônica inglesa e do período imperial brasileiro, a Loja Guanabara Nº IV, foi fundada  no oriente de Rio Bonito no dia 14 de julho de 1857, trazendo consigo a beleza e o glamour da nobreza e do espírito liberalista para a região, cujo Município de Rio Bonito já se apontava como o centro fomentador econômico da época, gerando riqueza, cultura, história e uma dinastia de autoridades maçônicas desconhecidas pelos seus patrícios na atualidade.

No dia 14 de julho de 2018, foi  realizada a Sessão Especial do Aniversário de 161 anos da Loja Guanabara nº IV e a investidura e posse da nova administração, assumindo sob o comando do Venerável Mestre, Luis Felipe Nogueira Boareto, contando com a presença de 67 Irmãos, representando 13 Lojas da potência, sendo 06 Veneráveis e 06 Irmãos representantes da  alta administração da Grande Loja Maçônica do Estado do Rio de Janeiro.

No caso do Irmão e atual Venerável Mestre, LUIS FELIPE NOGUEIRA BOARETO, que foi meu contemporâneo na época do Colégio Cenecista Manual Duarte e advogado atuante na Comarca de Rio Bonito, desejo-lhe um tríplice e fraterno abraço e os votos de paz e prosperidade em sua gestão, uma vez que a família maçônica estará sob seus cuidados literalmente. Devido sua maturidade na Ordem e sua forma prática de ver a realidade e de solucionar os conflitos do cotidiano, vejo grande potencial para a Guanabara Nº IV se desenvolver, sem quebrar a etiqueta e a constituição maçônica. Talvez, ele consiga despertar os irmãos adormecidos e reconstruir o legado, ora bastante esquecido pelos anais da história, unindo a maçonaria fraterna a sua gênesis espiritual, mantendo-se, assim, a energia contínua transmitida durante o tronco da solidariedade e a cadeia de união.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior : .

despedida

A Hora da Partida

O momento da partida sempre é difícil para quem fica e para quem parte, porque, por mais que a sociedade se sustente no individualismo como a unidade mínima, sempre ficarão os fragmentos das impressões e das experiências de uma pessoa para outra.

Somos viajantes do tempo e das emoções, transferindo a bagagem continuamente com o próximo. Ora temos a sobrecarga do peso, ora não temos peso algum. E assim, vamos compensando uns com outros e vice-versa, numa solidariedade que se prende ao afeto e à afinidade, porque, no final, aquilo que parece ser o sacrífico ou um castigo, pode ser a oportunidade do ajuste e da aproximação.

Ninguém disse que a partida seria fácil, mas temos que ir, sem data, local e hora anunciados pelo além. Logo, é importante praticar a justiça, o respeito, o arrependimento e o perdão, devendo lembrar que a vida precisa ser sincera e plena, porque o corpo possui prazo de validade e, ao contrário do espírito, sua essência é mortal.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior : .

Rio Bonito, 14 de julho de 2018.