1602035_607045456017970_523163606_o

A família é o verdadeiro legado da existência humana

Há sete atrás, quando tomei consciência de que seria pai, eu já tinha abandonado o cachimbo e o charuto. O álcool já não fazia parte da minha vida, porque minha esposa não bebe, logo, achei prudente abrir mão, visando que os barcos andassem, lado a lado, no mesmo oceano. De forma inconsciente, eu já tinha tomado a decisão de sacrificar toda minha existência pela minha família, objetivando o melhor para minha única filha.

A maioria das pessoas mede seu legado pelo dinheiro e patrimônio constituído em vida. Talvez, isso aconteça, porque há uma programação social, baseada no status e no ponto de vista majoritário de que todos possuem um preço. Assim, coisificamos as pessoas, ou personificamos as coisas. Seguindo a corrente minoritária, eu optei centralizar minhas energias na minha filha, porque ela é e sempre será o melhor de mim, tanto nos erros quanto nos acertos. Quero que ela tenha uma educação livre, mas que conheça os valores e as tradições. Desejo que ela conheça e pratique a caridade, sem querer qualquer coisa em troca. Desejo, do fundo do meu coração, que minha filha tenha esse sorriso lindo em sua existência, e que se lembre de mim como um bom exemplo, porque esse será o máximo do legado que poderei deixar. E que D-us me “dê a honra de ver o filhos dos meus filhos e a paz sobre Israel.”

O mundo é uma grande ilusão. O problema é que a maioria só percebe isso, quando já está do outro lado da vida, quando as certezas e verdades pessoais se perdem na profundidade da gravidade e da ausência do tempo, como o conhecemos.

Enquanto a maioria acumula bens, optei por abandonar o desncessário no oceano, para que as lembranças sejam menos carregadas de objetos, valorizando a emoção e as pessoas. Compreendi, aos 39 anos de idade, que a bagagem, em excesso, pesa, faz a gente perder o foco e, ainda, pode provocar o naufrágio de um dos barcos. Por fim, desacelerei meu barco, para acompanhar a velocidade da navegação da minha filha e esposa. Não preciso ter pressa para chegar ao horizonte, porque essa é uma armadilha, quando se vive numa esfera imperfeita, que circula em volta do sol e em torno do seu próprio eixo.

 

Nadelson Costa Nogueira Junior

Comentários