whatsapp-image-2018-07-15-at-12-00-35

Luis Felipe Nogueira Boareto é o novo Venerável Mestre da Loja Guanabara nº IV, no oriente de Rio Bonito

O dia 14 de julho é uma data importantíssima para o calendário maçônico e da história da humanidade, uma vez que esta data registra a queda da Bastilha em 1789 e o auge da Revolução Francesa, cuja essência se sustentou nos princípios maçônicos da LIBERDADE, IGUALDADE e  FRATERNIDADE.

Seguindo a tradição maçônica inglesa e do período imperial brasileiro, a Loja Guanabara Nº IV, foi fundada  no oriente de Rio Bonito no dia 14 de julho de 1857, trazendo consigo a beleza e o glamour da nobreza e do espírito liberalista para a região, cujo Município de Rio Bonito já se apontava como o centro fomentador econômico da época, gerando riqueza, cultura, história e uma dinastia de autoridades maçônicas desconhecidas pelos seus patrícios na atualidade.

No dia 14 de julho de 2018, foi  realizada a Sessão Especial do Aniversário de 161 anos da Loja Guanabara nº IV e a investidura e posse da nova administração, assumindo sob o comando do Venerável Mestre, Luis Felipe Nogueira Boareto, contando com a presença de 67 Irmãos, representando 13 Lojas da potência, sendo 06 Veneráveis e 06 Irmãos representantes da  alta administração da Grande Loja Maçônica do Estado do Rio de Janeiro.

No caso do Irmão e atual Venerável Mestre, LUIS FELIPE NOGUEIRA BOARETO, que foi meu contemporâneo na época do Colégio Cenecista Manual Duarte e advogado atuante na Comarca de Rio Bonito, desejo-lhe um tríplice e fraterno abraço e os votos de paz e prosperidade em sua gestão, uma vez que a família maçônica estará sob seus cuidados literalmente. Devido sua maturidade na Ordem e sua forma prática de ver a realidade e de solucionar os conflitos do cotidiano, vejo grande potencial para a Guanabara Nº IV se desenvolver, sem quebrar a etiqueta e a constituição maçônica. Talvez, ele consiga despertar os irmãos adormecidos e reconstruir o legado, ora bastante esquecido pelos anais da história, unindo a maçonaria fraterna a sua gênesis espiritual, mantendo-se, assim, a energia contínua transmitida durante o tronco da solidariedade e a cadeia de união.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior : .

Comentários