juros31-640x360

Ministério da Fazenda mente sobre a taxa de juros e esconde a realidade brasileira

Prezado leitor,

consorcio-realiza-taxas-de-juros-por-que-elas-existem-em-qualquer-investimentoEssa semana, o Henrique Meirelles, Ministro da Fazenda, anunciou que a resposta da economia brasileira está boa diante do quadro da crise, tendo em vista o registro histórico dos juros de 0,38%, o que me provocou o conflito interno imediatamente, uma vez que a compra dos alimentos sofreu a alta média de 9% em janeiro de 2017, mantendo-se a mesma média na bomba dos combustível, mesmo com três reduções consecutivas por parte da PETROBRÁS no diesel, na gasolina e no etanol.

Simplesmente, a matemática financeira ilusória do Ministério da Fazenda, do Banco Central e do COPOM (Comitê de Política Monetária) não se aplica à realidade da sociedade brasileira, mas à vontade do investidor estrangeiro, que necessita ler os indicadores econômicos e sociais continuamente, para decidirem se continuarão, ou não, investindo nos papéis do tesouro ou no mercado nacional.

Mais contraditório que o Ministro da Fazenda e a taxa histórica anunciada essa semana é o Estado do Rio de Janeiro elevar o novo salário mínimo estadual, provocando a elevação direta do mercado em 10%, elevando o desemprego, a inadimplência e os conflitos sociais, cujos impactos se materializam nas estatísticas da violência urbana. Assim, quanto mais nos aproximamos das periferias e dos subúrbios, constatamos a incapacidade do Estado e do governo na gestão do dinheiro e da ordem pública.

Para demonstrar que a taxa de juros anunciada pelo Meirelles é forjada e não bate com a realidade brasileira, só bastará que o leitor entre no site do seu respectivo banco, para observar as propostas das taxas dos juros oferecidas no cheque especial e no cartão de crédito, mesmo com as mudanças impostas recentemente ao segundo instrumento de compra no crédito.

Por fim, é duro ter que assumir o reflexo do Brasil diante do espelho, que é um país de governantes pobres de espírito e sem criatividade, enquanto que essa pobreza está se materializando na sociedade, através do Estado Mínimo, que só arrecada e massacra o trabalhador e o empresário, deixando bem claro para a população que não dará qualquer contrapartida, salvo a PPP (Participação Público Privada), contando com empresariado bancar parte ou a totalidade dos projetos. Assim, o sistema esconde a realidade brasileira dentro da complexidade e da burrice da burocracia.

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

Comentários