O impeachment de Solange e a proposta do Café Poético e Filosófico

Tem muita gente elogiando a qualidade dos meus artigos no “Nadelson – Café Poético e Filosófico”. Também, tem muita gente me perguntando nas ruas e nas redes sociais o que ganharei com a proposta apresentada à sociedade. Minha resposta é simples e objetiva: – SATISFAÇÃO e REALIZAÇÃO.
Há duas décadas que estou com o projeto engavetado, tendo em vista o conjunto de prioridades no cotidiano. Na verdade, eu precisava compartilhar minha arte, escrita e pensamentos com outrem. Por que não compartilhar com a coletividade? – E assim nasceu o projeto no saudoso ORKUT em 2005, sendo materializado no site www.nadelson.com.br e nas redes sociais.
O Café Poético e Filosófico tem a proposta de provocar o raciocínio e a participação do leitor, tanto na política, quanto na economia, na cultura, nas artes e no jornalismo nacional e internacional. Mas, o foco principal é apresentar a sociedade de Rio Bonito para si e para o resto do mundo. Faço questão de deixar evidente, em cada artigo ou poesia, a marca registrada da identidade riobonitense, mesmo sendo carioca de nascimento.
A provocação dessa semana foi, justamente, trazer uma nova possibilidade aos riobonitenses, quando se vê a reprovação latente e visível do governo Dilma e da prefeita Solange: – O Impeachment de Solange Pereira de Almeida. Analisando o histórico da figura política, o resultado de alguns processos judiciais, que já estão sentenciados e com os prazos vencidos, bem como a gestão sem transparência desde o início, pessoalmente, interpretando a Lei, eu vejo um universo de motivos e de várias possibilidades para que o processo de impeachment seja aberto e direcionado ao Poder Legislativo, podendo ocorrer a partir do pedido de um único eleitor ou por meio da ação popular, através das Associações e setores da sociedade local.
A verdade é que a provocação é justamente para mostrar a própria sociedade riobonitense que não adianta querer tirar a Dilma do poder, quando os problemas no nosso próprio quintal não são resolvidos. Ai, me vem aquela pergunta clássica: – Por que pedir o impeachment de Dilma e ignorar a Solange? – O exemplo não deveria vir exatamente dos municípios e dos seus respectivos cidadãos? Por que julgarmos os deputados federais e estaduais perante à opinião pública, quando os vereadores se demonstram ausentes e incapazes aos problemas da nossa cidade e na fiscalização do Poder Executivo?
Se o impeachment de Solange Pereira de Almeida acontecer no futuro, não será por causa daquilo que escrevi, mas porque deixaram de fazer o dever de casa, que era usar o dinheiro público para cuidar da nossa cidade, incluindo os serviços públicos, a valorização do servidor público, bem como o planejamento e a implantação das políticas públicas. Por exemplo, existe o princípio de irredutibilidade, onde o salário dos servidores e dos cargos de confiança não podem ser reduzidos. O primeiro ato da prefeita foi reduzir todas as funções comissionadas e gratificações, para compensar o valor economizado e criar novos cargos, bem como novas secretarias. O problema é que, para cada cargo criado, houve um aumento além da economia estimada em relação aos descontos obrigatórios, tais como a previdência oficial e o imposto de renda. Esse primeiro ato, por si só, já legitimaria um impeachment desde o primeiro mês do governo, tendo em vista que o próprio governo insiste em dizer que as contas estão no vermelho, configurando a incapacidade gestora.
Precisamos voltar à década de noventa e lembrar que o primeiro prefeito a sofrer um impeachment, no Brasil, foi o Aires Abdalla, fundamentado no fato de que tinha enterrado uma caixa com medicamentos no antigo lixão de Rio Bonito, no Mato Frio. Em suma, por muito menos, o político que mais construiu e fez por Rio Bonito, nos últimos trinta anos, sofreu impeachment. A pergunta que deixarei para o meu caro leitor é a seguinte: – Por que não aplicar essa alternativa legítima? – Por que não aproveitar a chance para Rio Bonito respirar, antes de 2016? – Por que não aproveitar a oportunidade de ajudarmos o Hospital Regional Darcy Vargas? – Por que não aproveitar a oportunidade para a juventude? – Uma coisa eu tenho certeza: – Não faz sentido pedir o impeachment de Dilma, quando a cidade está pior que o país, pois parece que somos um feudo ou uma ilha. Todos cresceram ao nosso redor, enquanto que nossa economia reduziu.
Por fim, a proposta do Café Poético e Filosófico é justamente essa: – Pensar e repensar a sociedade e os padrões da nossa época. Se as propostas se materializarem em ações, será melhor para a cidadania e para as futuras gerações.

Nadelson Costa Nogueira Junior.

Comentários