pezao-dilma

Pela volta da CPMF, Pezão criou uma crise imaginária com os servidores e a saúde

P_20151224_171704_1_p_1Após a pesquisa da Lei de Diretrizes Orçamentárias do Estado do Rio de Janeiro de 2010 até 2016, poderemos fazer várias análises: – A diferença no orçamento de 2015 para 2016 é de –R$3.802.555.676,00. Todavia, o total do orçamento ainda é maior que o de 2014, que foi de R$77.088.941.150,00. Logo, se compararmos o orçamento de 2016 com o de 2014, que foi ano eleitoral, chegaremos ao superávit de R$1.912.522.942,00.

Conforme o discurso de Pezão, Governador do Estado do Rio de Janeiro, a receita do Estado diminui drasticamente em função dos efeitos dos royalties do petróleo, cujos valores estão diretamente ligados ao preço do barril do petróleo, que está registrando seu pior preço desde a crise do Irã, em 1974. Todavia, se analisarmos os números, chegaremos à retração financeira e econômica de –R$3.802.555.676,00. Foi nesse momento  que me fiz as seguintes perguntas: – Por que a saúde do Estado do Rio de Janeiro está ruim, quando a LDO de 2016 registrou o superávit de  R$1.912.522.942,00 em comparação a 2014? Por que pagar o 13º salário dos servidores, em 05 (cinco) parcelas? Por que  atrasar o pagamento dos servidores? – A resposta para todas as perguntas é simples: – Para investir o dinheiro e ganhar juros. Logo, quanto mais tempo ficar o dinheiro do salário dos servidores disponível nas opções dos investimentos,  maiores serão os valores dos recursos de outras fontes. Faz sentido o aparato financeiro. Entretanto, o ano de 2015 ainda não terminou, enquanto que as contas do Estado não fecharam, mesmo com os R$82.804.019.768,00.

Analisando o panorama político, Pezão, governador do Estado do Rio de Janeiro, filiado ao PMDB, está liderando o grupo dos governadores que apoiam a permanência da presidente Dilma Rousseff no poder, maximizando o conflito interno no seu próprio partido de um lado, além de estar desgastando sua imagem política e gestora do outro, tendo em vista que o Governo Federal já decidiu que a CPMF (Contribuição Provisória sob Movimentações Financeiras) retornará como a solução compensatória das perdas com os royalties do petróleo e parte das pedaladas fiscais. O problema é que o Congresso Nacional deve votar e aprovar o retorno da contribuição, enquanto que a maioria das lideranças dos partidos não concorda com o retorno ainda. Entretanto, se, coincidentemente, os Estados, que estão apoiando o atual governo, indicarem que a saúde está doente e que não há dinheiro nos cofres para bancar a despesa e o funcionalismo, a Câmara dos Deputados e o Senado teriam que repensar o mecanismo da CPMF, vislumbrando a sobrevivência política e a solução dos problemas supramencionados. Logo, tudo indica que o Estado do Rio de Janeiro está dando o primeiro passo de um plano, muito bem construído, para que a opinião pública induza a imprensa nacional, ou vice-versa, objetivando o retorno da CPMF. Todavia, os R$82.804.019.768,00 demonstram que, se o problema existe realmente, poderia ser solucionado com cortes nas secretarias estaduais, nas regalias e nas despesas desnecessárias. Mas, muito pelo contrário, parece o que tudo indica que a ponta da pirâmide do Poder Executivo e o Poder Legislativo não estão passando pela crise econômica e financeira evidenciada nos discursos, porque a crise está na seara dos valores e da ética para compensar os erros cometidos no Palácio do Planalto e no ano eleitoral de 2014.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

Comentários