111110_dividas_dicas_f_004

Por coincidência, as condenações do Mandiocão batem com o valor majorado na dívida do Município

Evitei tocar no assunto das condenações do prefeito durante as eleições em 2016, porque elas estão no grau de recurso, enquanto que tudo pode acontecer até o trânsito em julgado. Simplesmente, esse assunto não tinha qualquer pertinência naquele momento. Todavia, diante das circunstâncias, temos que parar para analisar os atos e os fatos administrativos como estão sendo apresentados pela Câmara Municipal de Rio Bonito e pela própria Prefeitura, tendo em vista que os números estão sendo manipulados à conveniência dos gestores e dos legisladores, quando deveriam seguir a transparência pública, como no modelo do Governo Federal, publicando no site, para que todos pudessem ter acesso aos gastos e às receitas do erário público.

A dívida herdada do governo anterior, que foi computada em R$55 milhões pela comissão designada, foi majorada pela atual gestão em R$16 milhões, fechando com o valor anunciado oficialmente pela imprensa no quantum de R$71 milhões. Coincidência ou não, a majoração da dívida bate com a soma das condenações indenizatórias do prefeito José Luiz Alves Antunes (Mandiocão) até o momento. Em suma, foi um erro totalizar as contas a vencer no cálculo da herança maldita ou já fazia parte do plano? – Infelizmente, diante da manipulação das informações prestadas à sociedade e a total ausência na transparência das contas do Município, tais perguntas devem ser feitas, enquanto que o governo tem a obrigação de explicar isso aos vereadores e à opinião pública.

Nesse exato momento, os servidores públicos municipais, os aposentados e os contratados não estão compreendendo os atrasos nos salários e o parcelamento do 13º salário em 05 vezes, uma vez que a matemática e a contabilidade informadas não estão batendo com o fluxo de caixa e a realidade financeira do Município de Rio Bonito, o que transformaria o Decreto n°004/2017, referente à Calamidade Financeira, num verdadeiro fiasco e tiro no pé da própria gestão, aos olhos da sociedade riobonitense.

Por fim, se a atual gestão não se manifestar, dando a transparência e a publicidade necessárias às contas, ficará difícil para o prefeito sustentar o modelo de pagamento aplicado até o momento presente, enquanto que a maioria dos vereadores terão êxito na inversão do apoio popular ao governo, que tem trabalhado sua imagem muito bem até então. Errar é humano. A insistência no erro não é mais uma opção. Se tivessem investido na transparência desde o primeiro dia do governo, possivelmente, essa resenha não existiria, bem como as dúvidas e as indagações.

 

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

Comentários