737564_403961183015372_279887074_o

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, faria o choque de gestão desde o primeiro minuto do mandato

Na noite do dia 18/02/2018, eu tive um sonho muito esquisito, pois sonhei que era o prefeito de Rio Bonito, enquanto que as pessoas me imploravam para manter as coisas como estavam, em nome da família riobonitense. Eu sentei na cadeira, esfreguei as mãos e disse não, porque Rio Bonito precisava crescer para todos.

Se eu fosse o prefeito, o Joselder seria o meu vice. Faríamos o choque de gestão desde o primeiro minuto. De cara, cancelaríamos todos os contratos temporários e colocaríamos os efetivos para trabalhar com ponto eletrônico.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, investiria melhor os R$18 milhões de arrecadação mensal da cidade, cujo problema não está no dinheiro, mas no planejamento e na prioridade do grupo político.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito não deixaria de tapar um buraco para salvar uma vida, mas investiria mais nas pessoas, no Hospital Regional Darcy Vargas e na máquina da saúde, para que os cidadãos tivessem qualidade de vida. Faria a gestão participativa, com a auditoria continua no HRDV.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, investiria tudo na capacitação da juventude e traria o SENAI para cá. É preciso fazer mais que promessas e acordos entre compadres e comadres.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, cobraria o IPTU e demais impostos atrasados de todos, sem exceção, e aplicaria a responsabilidade indenizatória nos procuradores e servidores para cada processo judicial aberto erroneamente, quando o contribuinte provasse que procedeu o pagamento e foi ignorado por falha do sistema, que insiste em trabalhar no analógico ou no banco de dados de terceiros, para manter os acordos com a capital e com Brasília. Isso é inaceitável no século XXI, com R$18 milhões de arrecadação mensal.

Se eu fosse o prefeito de Rio Bonito, investiria mais nos servidores e na Dívida Ativa Municipal, porque é lá que está a verdadeira mina do dinheiro público, que precisa ser minerada e investida nos serviços públicos, começando pela melhoria tecnológica da Secretaria Municipal de Fazenda, da Procuradoria Geral do Município e da Controladoria.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, cada carro destruído, desmontado integral ou parcialmente seria periciado, com a responsabilidade solidária aplicada diretamente ao motorista e ao secretário da pasta. Se o veículo destruído fosse deles, eles não fariam isso e não deixariam acontecer. Sai governante e entra governante, o sucateamento continua e ninguém fala ou faz qualquer coisa.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, os diretores de escola seriam escolhidos pelo voto dos alunos, pais de alunos e professores em suas respectivas comunidades. Cada escola ficaria responsável pelas contas, manutenção e merenda. Caso contrário, não seria direção, mas cabide de emprego para o apadrinhamento político.

Seu eu fosse o prefeito de Rio Bonito, todos os salários ficariam disponíveis para a consulta pública no site. O mesmo seria feito em relação aos contratos e licitações.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, não ia ter essa de secretário sair da pasta sem prestar conta do trabalho. Abriria a auditoria imediatamente para detectar se houve abuso, improbidade administrativa ou crime de responsabilidade. A bagunça nacional impera, porque há muita impunidade, enquanto que o fiscal abandonou seu posto e sua obrigação.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, instalaria as câmeras de monitoramento na principais ruas e pontos da cidade do Basílio até o Rio do Ouro, estendendo para Boa Esperança. É o mínimo que a prefeitura tem que fazer na segurança pública.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, as contas ficariam disponíveis no site da prefeitura para consulta contínua para que os cidadãos soubessem para onde cada centavo está sendo investido na nossa cidade, porque precisamos ter transparência nos atos públicos.

Se eu fosse prefeito de Rio Bonito, estenderia os serviços da secretaria de comunicação à Câmara Municipal de Rio Bonito, objetivando fazer a cobertura de todas as sessões on-line e ao vivo, para que todos os cidadãos pudessem acompanhar a política local dentro do calor e do conforto dos seus lares. Dessa forma, traria mais transparência ao serviço público e ao exercício da governabilidade, porque o governante e o fiscal da lei devem andar juntos em nome da justiça social e do bem-estar dos cidadãos.

Se eu fosse prefeito, não iria ser o pau mandado do grupo. Não faria o apadrinhamento político e não colocaria parente como secretário no governo. Isso seria só o começo da gestão. Os empresários iriam à loucura comigo, a imprensa oficial seria eletrônica e a licitação on-line, com direito a vídeo e tudo mais. Faria questão de transformar a prefeitura num BBB com câmeras ao vivo para que o povo acompanhasse tudo com transparência. Manteria a auditoria continua e apresentaria à parte podre e doente ao Ministério Público e à Justiça. É isso que eu espero do governante hoje, só para começar.

Se eu fosse candidato ao cargo de prefeito, não conquistaria muitos votos, porque eu não prometeria cargos e contratos às pessoas. Simplesmente, seria eu e a minha consciência, com a sociedade fazendo fila no escritório dos oponentes. Minha campanha seria com custo zero para não ter a obrigação de atender o pedido dos patrocinadores. Todavia, se o azarão ganhasse a corrida, minha alma e mente estariam livres para fazer o certo e colocar as coisas nos seus respectivos lugares. É disso que estou falando para o futuro e para o nosso próximo candidato: – Tenha coragem e luz própria. Levante e se ofereça para lutar pela sociedade.

Acho que estou começando a acreditar que poderei ser prefeito de Rio Bonito um dia, sem comprar voto, mentir para a sociedade e vender a alma para os empresários das licitações e dos eventos. Quem viria comigo ou com qualquer outro candidato digno, sem pedir qualquer coisa em troca, salvo fazer o certo, o legal e o necessário para o município? Quem se atreveria a fazer o certo e o necessário pela cidade, seus cidadãos e sua juventude?

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior:.

Comentários