Posts

eles_foram_capazes_de_aquecer_o_plasma_a_tres_vezes-700x435

O Brasil precisa abandonar o petróleo e abraçar a fusão nuclear

fusaoA Balança Comercial se baseia no confronto entre os produtos importados e exportados, enquanto que sua base se mantém na estrutura da reserva cambial e metalista, colocando o Onça Troy (Ouro) como referência mundial. Logo, para uma nação fechar o período de forma positiva, ou superávit, é necessário que as flutuações financeiras estejam abaixo da reserva cambial, enquanto que o país deverá exportar (vender) mais do que importar (comprar). Todavia, no caso do Brasil, a fórmula está sendo manipulada artificialmente pelo Governo desde 1994, priorizando a taxa de juros acima do mercado internacional para captar os investidores estrangeiros, além da injeção contínua dos dólares na flutuação do mercado, objetivando mantê-lo atrativo. No final, o contribuinte brasileiro paga caro pelo padrão de vida duas vezes, uma vez que a manutenção do aquário financeiro não é barata, enquanto que dinheiro não dá em árvore.

Desde 2003, o governo do ex-presidente da república, Luiz Inácio Lula da Silva, manteve a política econômica e cambial iniciada por FHC, utilizando-se, em contraposição, do mecanismo dos empréstimos às nações estrangeiras, bem como a intensificação das obras e grandes construções no exterior, convertendo os valores em dólares, que eram incorporados à balança comercial como investimentos, provocando o superávit artificial da economia. E foi assim que o governo do PT construiu a famosa “economia emergente” até a entrada da ex-presidente Dilma Rousseff, que retornou ao modelo econômico anterior ao período do real, investindo maciçamente no social, ignorando a necessidade primária do Brasil, que é justamente o investimento no setor energético e na produção industrial nacional.

Todavia, deixando a política cambial de lado no momento, é importante analisarmos que o Brasil se prendeu ao petróleo, deixando toda sua economia dependente do setor, que está em decadência e com os próximos trintas anos de contagem regressiva para sua subutilização na produção dos plásticos, tendo em vista o investimento maciço das maiores nações e economias do planeta na pesquisa e na produção das novas fontes de energia, mais limpas, baratas e sustentáveis, contrariando todas as regras do setor petrolífero. Logo, o que está acontecendo com os Estados Federativos produtores de petróleo, que estão imersos numa crise financeira, acontecerá com a União, se não investir nas novas formas de energia, afastando-se progressivamente do hidrocarboneto.

Para tornar o Mal Holandês ainda pior para o brasil, a Alemanha anunciou essa semana que conseguiu tornar operacional e com a segurança de 99,99% o primeiro reator de fusão nuclear, cujo seu mecanismo se baseia no formato de uma rosca de 16 metros, que controla os gases e o plasma através do magnetismo, sem contato direto com o material metálico do projeto. Assim, a Alemanha inaugurou uma nova etapa da evolução científica, elevando a corrida energética ao nível mais estratégico, limpo e infinito, alterando, inclusive, o panorama político do continente europeu, uma vez que a solução energética poderá alimentar a escala de bilhões de pessoas, diminuindo a importância logística da Rússia, que é responsável pela maior parte do fornecimento do gás aos europeus.

Por fim, o Brasil precisa abandonar os projetos hidrelétricos e petrolíferos, vislumbrando a tecnologia da fusão nuclear, que é literalmente a reprodução da manutenção energética do sol. O anuncio o reator alemão elevou o mundo contemporâneo ao panorama científico do filme “Jornada nas Estrelas”, uma vez que tal fonte de energia se encaixa perfeitamente como uma solução aos motores de dobra espacial e à autonomia colonial fora do planeta Terra. Entretanto, o governo brasileiro continuará insistindo no Pré-Sal e no modelo econômico sustentado pelos royalties do petróleo e pelo ICMS, que é descontado no destino, em Brasília, dentro do setor, enquanto que, contraditoriamente com a crise financeiro no Estado do Rio de Janeiro, o mesmo enviou mais de R$108 Bilhões em 2016, sozinho, sustentando a União e os Estados Federativos que não conseguiram evoluir autonomamente no último século.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

 

A Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição e a noite riobonitense.

O Melhor de Rio Bonito para os investidores estrangeiros

Trajeto Rio Bonito x Gávea - Aérea dos investidores.A pequena cidade de Rio Bonito, inserida recentemente na região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, ainda mantém as características do interior, primando pela qualidade de vida no estilo artesanal, aproveitando a beleza e o recanto de sua natureza, através da diversidade de sua fauna, flora e da riqueza hídrica.

Com a área correspondente a 456,45 Km², a população computada pela estimativa de 57.615 habitantes e o IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) calculado em 0,710, o Município de Rio Bonito foi divido em 03 distritos, sendo-lhes o Centro, Basílio e Boa Esperança, apresentando sua expressão econômica na agropecuária, embora suas forças produtivas e meios de produção estejam focalizados nos serviços, demonstrando que o riobonitense ainda possui muito potencial e terra produtiva para alavancar sua economia, através do pequeno produtor rural e do turismo ecológico.

O Município de Rio Bonito encontra-se, literalmente, no centro do Estado do Rio de Janeiro, sendo cortado pelas rodovias BR-101 e a RJ-124 (Via Lagos), o que lhe permite a instalação das indústrias de base e do setor da logística terrestre, aérea e marítima, por estar próximo do litoral e da região serrana, enquanto que se encontra a 76 km da capital, cujo percurso terrestre dura em média 58 minutos. Outrossim, considerando o deslocamento aéreo numa linha reta, a cidade fica a 63 Km dos principais empreendimentos do nosso Estado, fazendo fácil triangulação com Cabo Frio e Macaé.

Com as pedalas fiscais, a má gestão governamental no Estado do Rio de Janeiro e no Município de Rio Bonito, cumulados com as commodities e a crise mundial do petróleo, a arrecadação municipal despencará dos R$228.000.000,00, em 2016, para R$180.000.000,00  em 2017, enquanto que a máquina pública necessitará fazer cortes e compensações de um lado, além de ter a obrigação de constituir um plano econômico para gerar novas receitas, através da criação das novas empresas e vagas de trabalho, do outro. Assim cada pessoa empregada, corresponderá a novas receitas no futuro, além da diminuição do peso do desemprego.

A verdade é que todos os políticos e até mesmos os empresários estão pensando a política pública de forma errada, tendo em vista que todos os envolvidos querem encontrar a máquina pronta para sangrá-la na economia local ou regional, quando, na realidade, ninguém apresentou, até a presente data, um modelo, sequer, do projeto que prospectasse novos empreendimentos e gerasse novas receitas.

Por fim, os russos, chineses, alemães, israelenses, árabes e canadenses estão investindo no Brasil e no COMPERJ nesse exato momento. Por que não oferecermos aquilo que temos de melhor aos investidores estrangeiros? – Assim, espero que esse texto se propague pelas redes sociais e pela internet, no intuito de chamar a atenção de algum grande investidor chinês, russo, alemão, israelense, árabe ou, até mesmo, brasileiro, focalizando a instalação dos seus negócios na nossa cidade, para que Rio Bonito, Tanguá e Silva Jardim voltem ao ritmo do crescimento econômico das décadas já esquecidas na história do Brasil República e do Brasil Império.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

consultoria@rbempregos.com.br

Russian President Vladimir Putin heads the Cabinet meeting at the Novo-Ogaryovo presidential residence outside Moscow on Wednesday, March 5, 2014. (AP Photo/RIA Novosti, Alexei Druzhinin, Presidential Press Service)

A Rússia se posiciona como a alternativa bélica e econômica contra o ocidente

Vladimir Putin, presidente da Rússia, fez uma grande jogada essa semana, quando a inteligência do país divulgou sua lista de prevenções e segurança, colocando os Estados Unidos da América no topo da lista das ameaças.

Embora pareça óbvio para todos, depois das décadas da Guerra Fria, a transparência no relatório posiciona a Rússia como a potência líder do bloco dos países que odeiam o estilo de vida ocidental. Assim, teremos a maioria das ditaduras localizadas no norte e no centro da África, bem como dos países no Oriente Médio, e na Ásia. No continente americano, teríamos a Venezuela, a Bolívia, o Equador, o Uruguai e um ponto de interrogação no Brasil.

Putin definiu sua posição publicamente, e se apresentou como uma espécie de símbolo ou de inspiração ao bloco econômico e global, que existe há décadas, sem líderes expressivos, mas com muito ódio e petróleo para negociarem.

Por fim, olho a tensão no Oriente Médio com a mais profundidade nesse momento, porque o Irã recebeu a saudação indireta do Putin, enquanto que a Arábia Saudita tenta evitar o conflito, que nunca lhe pertenceu na realidade.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

dicas-direito-administrativo-jusbrasil-concursos-png

Sobre os efeitos dos atos jurídicos, contábeis e administrativos em nossas vidas

Eu aprendi, nos cursos que estudei pela vida, que, no cotidiano da sociedade humana, todos passarão constantemente por atos e fatos jurídicos, contábeis e administrativos. Por mais inconsciente que seja o padrão da ocorrência de tais ações, bem como suas materializações na realidade, nos limitamos, quando indagados ou obrigados pela situação a analisarmos os resultados, exclusivamente, seguindo a tendência natural e humana. Logo, não foi por acaso que os americanos se especializaram na DRE (Demonstração do Resultado do Exercício), pois, através desta ferramenta contábil e gestora, podemos ver, de forma genérica, a saúde da organização, tendo como ponto de partido o FLUXO DE CAIXA.

No meu cotidiano, eu utilizo as planilhas eletrônicas, com o balancete mensal e o balanço patrimonial, registrando o ATIVO e o PASSIVO, projetando o fluxo de caixa no futuro, idealizando o prazo de 12 meses. Nos últimos 10 anos, o procedimento tem funcionado e bem, no controle do orçamento doméstico.

Atualmente, a intensificação da cultura e da consciência sustentável, tanto na parte financeira quanto na ambiental, objetivando a evolução e o desenvolvimento da consciência e do comportamento doméstico financeiro, no intuito de também convergi-lo ao nicho do setor dos investimentos, tem contribuído e muito na compreensão do ato e do fato contábil, dentro da visão contingencial de uma sociedade, em constante movimento e transformação. Isso é tangível na situação do brasileiro, que está enfrentando a inflação, cujo método de controle escolhido pelo governo foi justamente o índice exagerado na taxa dos juros, elevando a alíquota dos impostos e tributos muito acima do limite tolerável dos 32%, causando diminuição na arrecadação interna, mas, intencionalmente, tentando chamar a atenção do investidor estrangeiro e o nacional para investir nos papéis do tesouro. Consequentemente, as empresas vendem menos, diminuindo a produção e demitindo seus empregados, que deixarão de consumir no mercado, causando um efeito dominó no país inteiro.

A escrituração é importantíssima, bem como o restante do universo contabilístico e auditor, tendo em vista que as pessoas jurídicas tenderão a fazer empréstimos, objetivando o crescimento na produção e a conquista do mercado. O mesmo comportamento tende se repetir na vida doméstica da pessoa física. Logo, fazer o controle financeiro e econômico é uma necessidade imperativa nos tempos da globalização e da guerra cambial entre as grandes corporações e suas respectivas nações.

Por fim, independentemente da nossa capacitação e conhecimento, o brasileiro precisa compreender que utiliza muito mais os conselhos e os efeitos dos atos e fatos jurídicos, contábeis e administrativos, do que visitam o médico ao longo de suas vidas. Entretanto, a base do discurso, quando provocado, se limitará ao valor e ao uso limitado do salário mínimo.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

volkswagen

A Volkswagen e a guerra econômica entre as nações

O BSC (Balanced Scorecard) surgiu como uma ferramenta de gestão, focalizando os indicadores do cotidiano da organização, que antes, eram ignorados pelo foco supervalorizado do financeiro e dos lucros por parte dos acionistas e da própria alta administração. Antes do advento do BSC, a empresas trabalhavam em cima dos indicadores, de forma muito limitada, além dos dados fazerem referência ao passado, o que transformava todo o planejamento estratégico numa aventura, cheia de possibilidades e incertezas. Logo, o BSC revolucionou a forma de fazer gestão, por está diretamente ligado ao planejamento estratégico da empresa, interligando toda a organização ao plano de negócios, focalizando os fatores financeiros, os processos internos, os eventos externos, e, principalmente, o cliente, apresentando novos indicadores, que se atualizam, podendo mensurar ações no presente e simular as consequências das decisões no futuro, o que antes não eram possíveis, pela ausência dos indicadores.

A dinâmica do BSC, quando diagnosticada e aplicada com coerência aos indicadores e à realidade generalizada da organização, permite a compreensão da empresa por sua gestão, além de apresentar uma imagem mais detalhada ao mercado e aos investidores.

Não há como negar que o BSC é um método eficaz e eficiente para a organização, desde que os indicadores gerados correspondam à realidade, como uma tomografia ou uma ressonância magnética da empresa. Utilizei tal comparação para demonstrar que, embora o BSC seja a última tendência como ferramenta de gestão, ele está disponível há mais de uma década, mas, mesmo assim, as organizações só se preocupam com qualidade e a necessidade da medição das operações de médio e curto prazo, quando a empresa passa pela crise, que poderia ter sido evitada ou seus efeitos previstos e diluídos no fluxo de caixa ou no controle dos indicadores, entre o passivo e os ativos. A ressonância ou a tomografia são meras rotinas aos pacientes saudáveis. Entretanto, tais procedimentos se tornam vitais, quando os pacientes são diagnosticados com câncer. Logo, a cultura do apagar incêndio precisa ser susbstituída pela prevenção e pelo acompanhamento contínuo. Essa é justamente a proposta fim do BSC.

Há um exemplo na mídia no momento, cujo tema se tornará roteiro de filme: o CASO VOLKSWAGEN, que é uma referência mundial em gestão, inovação e criatividade, e que, certamente, utiliza o BSC em sua gestão. Entretanto, os indicadores foram ignorados nos últimos dois anos, no mínimo, por parte da Alta Administração da empresa, induzindo o mercado a investir numa empresa, cujos os ativos e passivos não estavam batendo com o informado, causando um impacto financeiro terrível global, colocando, inclusive, a zona do euro em alerta máximo, tendo em vista que a Alemanha, que é base econômica e financeira no mercado comum europeu, saiu da configurançaõ estável, cuja referência nos gráficos econômicos é a cor verde, ficando laranja. Parecerar estranho aos meus caros leitores, todavia, se o governo não injetar euros, para estabilizar a economia interna e externa, o desiquilíbrio, provocado por uma única organização, poderá ser um dos pilares que desencadearão o início de uma nova guerra continental, que se desgastou na esfera econômica e que foi obrigada a retornar ao cenário imperalista. Karl Marx explica o processo, e com muita facilidade, com sua dialética fundamentada no materialismo histórico de que “a história é feita de homens que exploraram outros homens.”

No final, embora o tema central seja o BSC, acabamos esbarrando nos conflitos éticos nos negócios, bem como a fragilidade econômica das nações dentro das guerras econômicas. Logo, seria prudente utilizarmos o BSC e realizarmos as análises junto à AMBEV e a JBS (Friboi), no cenário nacional, tendo em vista que o comportamento das fusões, do crescimento e do desenvolvimento organizacional dessas duas empresas está chamando muito a atenção no mercado mundial, enquanto que poderá ocorrer o mesmo fenômeno financeiro americano (2008) e alemão (2015) no Brasil. A EBX alcançou o apogeu, enquanto que as marcas supramencionadas passaram a crescer com o mesmo ritmo, ocupando o lugar da outra dentro do cenário econômico. A máxima final é simples: – O ser humano pode viver sem petróleo. Entretanto, a realidade ficará comprometida sem a cerveja, a água e a carne, com seus derivados.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

facebook1

O Facebook é uma ferramenta de controle para os governos

Analisando as redes sociais e os números da audiência, incluindo os indicadores de fluxo e as várias dos horários, observo que o facebook está perdendo força no Brasil, além da baixa qualidade na produção dos conteúdos. Nem a imprensa nacional consegue fugir deste padrão.

O Whatsapp incentivou o êxodo do usuário mais informado, provocando, ironicamente, o efeito da orkutilização do facebook. O nome do efeito já demonstra que, no caso do mercado brasileiro, a rede social está sofrendo um declínio, que poderá chegar ao apogeu do Orkut. Todavia, enquanto o óbvio ainda não acontece, o Facebook, que deveria ser um meio de comunicação, acabaou assumindo uma posição fim, delimitando as publicações dos conteúdos em diversos países. Em suma, na ilusão, o escritor acredita que está gerando conteúdo e transferindo sua mensagem para centenas, milhares ou milhões de pessoas, desde que isso seja permitido pela sociedade de controle, com seus sistemas de vigilância e monitoramento da opinião pública e da vida privada do cidadão.

Na ilusão da audiência nas redes sociais, o escritor e o desenvolvedor de mídias centralizam seus conteúdos no Facebook, abandonando os antigos formatos de mídias na comunicação, tais com os sites. No final, eles podem perder o controle dos seus próprios conteúdos com um único telefonema das Agências de Controle Governamentais, além dos registros se perderem com muita facilidade, diante da grande demanda diária. Simplesmente, a informação se perde no processo de indexação, porque o banco de dados fica registrado no nome da rede social e não do conteúdo e do seu autor.

Assim, quando a Primavera Árabe foi propagada e registrada pelas redes sociais, tais procedimentos ocorreram, porque havia o interesse nisso. Seis meses após o efeito da “revolução” que não surtiu efeitos reais, os registros digitais foram perdidos, porque a sociedade de controle decidiu. Logo, utilizem as redes sociais com sabedoria. Compreendam que a REVOLUÇÃO jamais começará pelo facebook ou qualquer outro instrumento digital, porque a sociedade de controle existe e está monitorando sua leitura nesse exato momento.

Nadelson Costa Nogueira Junior

FB_IMG_1441745070158-1030x545-1-300x156

Os refugiados sírios e os senhores da guerra

Quando uma catástrofe está prestes a acontecer, os animais fogem para a direção oposta, na tentativa de sobreviverem e perpetuarem a espécie. O primeiro movimento é notado nos céus com o número excedente dos pássaros. Assim, numa questão de dias ou horas, o desastre natural ocorre, como a explosão de um vulcão nas ilhas canárias, o tsunami que poderá abater o litoral do continente americano, a partir do oceano atlântico, ou o vazamento de gás de um lago rico em metano, próximo do Nilo. A natureza tem uma leitura própria que trabalha em sincronia com ecossistema.

Seguindo a mesma programação natural, as sociedades humanas respondem da mesma forma às catástrofes naturais e artificiais, que, no segundo caso, são causadas pelo próprio Homem.

Em 1860, a Síria sofreu com o  “massacre de junho”, ainda, sob o domínio do Império Otomano; passando pela administração francesa de 1920 a 1946, quando se tornou independente. Entretanto, os franceses só se retiraram do território sírio em 1947. Em 1948, lutaram contra a divisão da palestina, para ser mais exato, a criação do Estado de Israel. E assim, desde então, a Síria não perdeu a oportunidade de conspirar com os países que tentaram invadir o território israelense. Mas, voltando ao “massacre de junho”, quando milhares de sírios e libaneses emigraram para diversos lugares do mundo, com predominância na França e no Brasil. E o movimento de emigração ganhava mais força, enquanto que o pêndulo do tempo e da história se aproximava do ano de 1918, quando oficializaram a 1ª Guerra Mundial.

Na atualidade, a Síria está sob o domínio do ditador, Bashar al-Assad, permitindo que a Rússia utilize parte do território libanês, ao norte, construindo uma espécie de muro invisível e estratégico ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, para que os sistemas de radares e a artilharia localizados entre o mar negro e cáspio triangulem, demonstrando a construção parcial da antiga configuração armamentista da Guerra Fria. Esse mesmo muro invisível foi construído paralelamente ao sistema de radares e artilharia da OTAN (Organização do Tratado Atlântico Norte), com forte presença na Turquia e na Alemanha.

Enquanto Assad e Putin simulam discretamente uma posição geográfica no Oriente Médio, principalmente, após a queda do Ditador Líbio, Muammar Kadafi, os armamentos soviéticos são vendidos aos países da região, surgindo, como um passe de mágica, na área da Síria, do Líbano e do norte do Iraque, um novo inimigo, chamado  Estado Islâmico, que vem com ideologias antigas contra o ocidente e Israel. Como uma cortina de fumaça, o IE surgiu, com bandeiras e com o sonho de instalar um novo califado islâmico, com regras que vão muito além das bases religiosas. Assim, a presença de um inimigo, que está ocupando território, cujo dono finge que nada está acontecendo de um lado, enquanto que a imprensa internacional dá a publicidade aos atos de genocídio, que estão sendo cometidos contra os sírios, os curdos, os libaneses, e demais estrangeiros, que apoiam a democracia e a liberdade de expressão, mobilizando a opinião pública à exigência da intervenção. Em contrapartida, a Arábia Saudita está comprando estoques de armamentos, tendo em vista que os analistas da inteligência já concluíram que a guerra acontecerá e será inevitável.

Como uma tentativa de resposta ao IE, Arábia Saudita está armando os curdos, em conjunto com a Alemanha. Assim, enquanto os refugiados se deslocam a Europa na busca pela sobrevivência, os curdos, que não possuem seu próprio território, estão penetrando cidade por cidade, e lutando uma guerra que possui padrinhos americanos, europeus, soviéticos, árabes e chineses. Eles estão lutando, porque não possuem opção. Seu bravo exército é composto de homens, mulheres e até crianças. E assim, numa luta de grupos e exércitos, que não possuem países e bandeiras, o resultado será o fim do IE de um lado, que se fragmentará em células e dissolverá. Entretanto, há a possibilidade dos Curdos constituírem seu país, através dos espólios da guerra. A criação do Estado Curdo traria o equilíbrio à região compreendida entre o Líbano e a Síria. E quanto mais emigrantes forem para Europa, mais terras e construções sobrarão para serem conquistadas pelos Curdos. E que os Curdos vençam e levem a melhor.

Nadelson Costa Nogueira Junior

252adec9db7657ad6ee5db257e634b6f

A economia brasileira está doente?

economia-brasileiraA economia brasileira está doente? – Aos olhos dos brasileiros, que se permitem serem informados pelos canais da comunicação nacional, sim. As coisas estão muito ruins, enquanto que os impostos são elevados por força das medidas provisórios ou atos unificados entre as chancelas políticas nos poderes executivo e legislativo, tanto na União (Federal) quanto nos na Federação (Estados).

Também, existe um grupo econômico que está forçando a barra para quebrar a jornada de trabalho, as regras da aposentadoria e, principalmente, diminuir ou acabar com as obrigações trabalhistas. E assim, o Brasil vem sendo o alvo nos negócios em relação às férias coletivas nas montadoras de carros, ou na demissão no setor da mineração e da siderurgia. Dessa forma, um setor vai provocando um efeito dominó no outro. Quanto maior for o número de desempregados de um lado, enquanto maior for a capacitação dos mesmos, maiores serão as pressões para que o governo tente um jeito brasileiro de quebrar princípios fundamentais da Constituição de 1988, que são materializados nas cláusulas pétreas.

Por outro lado, salvo a imprensa inglesa, que é sensacionalista por natureza, enquanto que a coroa inglesa tem o tradicional comportamento de ganhar dinheiro com a dor alheia, quando o assunto é a ex-colônia portuguesa, que se tornou um império e que se converteu numa república, marcada pelos impeachments, golpes de estado e ditaduras, demonstrando imaturidade no exercício da democracia nos últimos 25 anos, a imprensa internacional está tratando o desemprego, a luta de igualdade entre gêneros no trabalho, e a questão da economia brasileira de forma mais lógica e globalizada.

imagesAssim, os chineses trouxeram quatro trilhões de dólares de investimento, injetando-lhes no Pré-Sal, para ser mais exato, no campo de petróleo de Libra. No conjunto dos movimentos estratégicos, focalizando a produção da soja, o transporte ferroviário continental, a logística portuária e o setor petrolífero, os mesmo chineses estão assumindo o buraco provocado pela Operação Lava-Jato, com o impedimento das empreiteiras.  Em suma, quatro trilhões de dólares subiram para dez trilhões de investimentos e serviços prestados. Isso, porque não mencionei as parcerias bélicas e navais existentes entre o Brasil e a China no exterior.

De uma forma muito lúcida, eu não tenho problemas em afirmar que a elite e a classe média brasileira assinaram a sentença que provocaria o fim ou a diminuição do seu padrão de vida, quando decidiram repetir o mesmo ato que ocorreu em 1929, quando o décimo terceiro Presidente da República Federativa do Brasil, Washington Luíz, foi deposto, em 24/03/1930, dando início à ditadura do Estado Novo, sob o comando central de Getúlio Vargas. Só há um problema na atualidade, tendo em vista que não temos ditadores com a coragem do Getúlio Vargas ou o peito daqueles que coordenaram o Golpe de 1964, até mesmo, porque o comunismo perdeu espaço para o combate ao terrorismo, que não tem bandeiras nacionais ou ideológicas, enquanto que qualquer um pode ser o inimigo. A Guerra Fria tinha o foco na bipolarização do planeta, enquanto que a ONU era o canal dos diálogos entre as potencias. Entretanto, as potencias decidiram fazer guerras na África e no Oriente Médio por causa do petróleo. Putin, presidente da Rússia, está dando cobertura ao ditador do Líbano, para ter acesso aéreo ao mediterrâneo, salvo o mesmo controle sobre o oceano índico, sem gastar um único soldado ou material bélico em terras estrangeiras, salvo seja necessário. Mas, onde entra o Brasil nesse contexto armamentista e neo imperalista?  – Simples. O Brasil é um país continental, que está dentro da casa dos americanos, que possui recursos hídricos em suas bacias hidrográficas fluviais e geológicas (Aquíferos), com a capacidade de manter a humanidade toda, seguindo os indicadores de desenvolvimento humano atuais, por quatrocentos anos, salvo, o petróleo, com o DNA de baixa qualidade, que é um item terciário em nossa importância estratégica. Investir no Brasil com empresas e capital estrangeiros, é o mesmo que fincar uma bandeira e instalar uma unidade militar, sem soldado ou armamento, porque a principal arma do início do século XXI é o dinheiro e a especulação.

454547_92489Enquanto os americanos e os alemães lutam com os russos para ressuscitarem a Guerra Fria, visando a expansão dos mercados consumidores no modelo tradicional, os chineses oferecem valores irrecusáveis de um lado, construindo estruturas frágeis do outro, visando o cumprimento dos acordos e a garantia da manutenção perpétua, como o governo brasileiro faz com o asfalto nas rodovias, mesmo sob os efeitos da concessão e do pedágio.

E, retornando ao tema central quanto a saúde econômica brasileira, eu ainda me pergunto se estamos doentes realmente ou se tudo isso não passa de uma ilusão provocada pelos grupos econômicos, visando retornar ao poder. O problema é que, quando achavam que a Dilma fecharia o acordo e atenderia a todos, objetivando a necessidade política da coalizão, ela decidiu optar pelo caminho contrário, concentrando a estrutura do país nas mãos dos chineses e das construtoras estrangeiras, mantendo a dinâmica sigilosa da construção do porto de Mariel, em cuba, dentro do próprio território brasileiro.

Agora, que parte das informações, supramencionadas, foi lançada, eu te convido a fazer a pesquisa e tirar suas próprias conclusões. A minha foi muito simples e objetiva: – A crise é uma ilusão por parte da mídia e do governo. Simplesmente, abriram a economia para os estrangeiros, enquanto que os brasileiros, salvo àqueles que dominam o topo do grupo econômico  nacional, foram excluídos dos lucros, ficando, exclusivamente, com a manutenção das despesas, sob o lema de que “O desenvolvimento não pode parar.”

 

Nadelson Costa Nogueira Junior