Posts

Prefeito Mandiocão e o secretário de desenvolvimento econômico, Bruno Soares, na reunião do monitoramento remoto realizada na CDL, em 18/01/2017.

PMRB propõe a implantação do monitoramento remoto em parceria com a iniciativa privada

A apresentação do Felipe Reis, presidente do Projeto ViverBem.

A apresentação do Felipe Reis, presidente do Projeto ViverBem.

Na manhã desta quarta-feira (18/01/2017), a Prefeitura Municipal de Rio Bonito realizou, na CDL, a reunião com os empresários riobonitenses e as autoridades da segurança pública do nosso Município, objetivando apresentar a proposta do monitoramento remoto e do seu financiamento através da PPP (participação pública-privada), atendendo uma das principais prioridades da cidade desde 2011. Todavia, a implantação do monitoramento remoto foi silenciada em 2012, quando a situação não obteve êxito na sucessão, enquanto que a ex-prefeita, Solange Pereira de Almeida, prometeu investir no mesmo projeto, caso fosse eleita, deixando a promessa no papel, como a maioria das propostas do seu plano de governo.

As autoridades policiais e de defesa do Município de Rio Bonito.

As autoridades policiais e de defesa do Município de Rio Bonito.

O projeto do monitoramento remoto se baseia na experiência do município de Niterói, que implantou o sistema, através do projeto ViverBem, interagindo a dinâmica das 300 câmaras instaladas pela cidade, com a central de informação, a polícia civil, militar, rodoviária federal, a guarda municipal, os agentes do trânsito, a defesa civil, os serviços de emergência e as lideranças nas comunidades e bairros. Logo, o serviço do monitoramento proposto não se limita à instalação das câmeras pelos pontos estratégicos da cidade, contando com a cidadania e a participação da sociedade, da gestão pública municipal e as forças de defesa, compostas pela integração direta entre as polícias, a defesa civil, o corpo de bombeiros e a guarda municipal. E assim, o empresário e presidente do ViverBem, Felipe Reis, apresentou a experiência do projeto desde de sua fase embrionária até sua execução e evolução logística, atentando para o fato de que o processo é o resultado do trabalho em equipe, de forma contínua.

A apresentação conjunta dos secretários Bruno Soares e Ronen Antunes.

A apresentação conjunta dos secretários Bruno Soares e Ronen Antunes.

A pasta do desenvolvimento econômico, que está sob a gestão do empresário Bruno Guimarães Soares, ficará responsável pelo projeto e pela dinâmica da PPP, uma vez que a atual gestão priorizará tal metodologia, seguindo os exemplos aplicados na zona do sul do Rio de Janeiro, Niterói e Friburgo, cujas modelos são fortes, principalmente no desenvolvimento econômico, no turismo e na segurança pública. Todavia, o Bruno Soares está maximizando a comunicação entre o governo e a sociedade, apresentando o diferencial em conjunto com o secretário de desenvolvimento urbano e comunicação, Ronen Antunes, para prospectar parcerias para a manutenção e a conservação das áreas estratégicas da nossa cidade, valorizando o empresário e a economia local.

Se a PPP do monitoramento remoto sair do papel, ela inaugurar um novo período para a cidade, com a prática da gestão participativa, que é um modelo democrático e necessário, principalmente, quando a saúde financeira do Município de Rio Bonito está comprometida temporariamente.

Por fim, tive a oportunidade de conversar com os secretários do governo Bruno Soares e Ronen Antunes, bem como com o prefeito Mandiocão, que estão abertos para as ideias e colaborações dos cidadãos, priorizando a sociedade e a gestão pública racionalizada para reconstruir a cidade e a autoestima riobonitense.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

picture

A Criminalidade bateu à porta das famílias tradicionais rio-bonitenses, exigindo medidas preventivas

download-3Como escritor, eu evito escrever sobre a criminalidade no município de Rio Bonito, tendo em vista que esse tipo de tema vende facilmente, por retratar o medo e o terror urbano, alertando a sociedade e a marginalidade estrangeira, como se fosse o sinal do Batman, chamando o coringa. Todavia, as circunstâncias me obrigaram a quebrar o código, vislumbrando alertar os rio-bonitenses sobre o problema, incluindo suas causas e efeitos.

Ontem à noite, sábado, 10/12/2016, por volta das 21:00 horas, uma adolescente foi abordada por dois marginais, que estavam armados e de moto, na Rua Dr. João Batista, conhecida como a Rua do Antigo Laboratório Kramer, que possui acesso direto à BR-101,  no sentido ao Rio de Janeiro. Os meliantes levaram o celular da menina e, automaticamente, deixaram o trauma na vítima, na família e em todo quadrante, tendo em vista que a área é considerada calma, enquanto que parte das famílias tradicionais de Rio Bonito reside por lá, há gerações.

Conforme as informações prestadas até o momento, a família foi à 119ª DP de Rio Bonito, registrando a ocorrência do crime, enquanto que o sistema de localização do celular roubado está indicando que o aparelho se encontra no bairro da varginha, localizado em Silva Jardim.

O problema ético e moral do noticiário criminal é que, quando o jornalista divulga o fato, acaba fazendo a propaganda do terror e do medo dentro da sociedade, o que ganha muita força em Rio Bonito, que é conhecida por ser uma cidade pacata e hospedeira aos seus visitantes. Assim, a divulgação da criminalidade, por menor que seja, atrapalha a dinâmica econômica e financeira da região, saindo do campo da individualidade e penetrando no campo da coletividade.

Os rio-bonitenses precisam se sentar para refletir como chegamos aqui, tendo em vista que a criminalidade é o resultado da diversidade das variáveis intervenientes, que vão desde a evasão na educação até a falta de capacitação profissional e a ausência na inclusão da maior parte da população no mercado de trabalho, causando o desequilíbrio na segurança pública, provocando a construção das fortalezas privadas, dos guetos nas periferias e dos feudos nas cidades do interior. O problema é que a rua é pública, enquanto que todos possuem o direito de ir e vir, independentemente de serem marginais ou trabalhadores. Logo, é imperativo para o próximo prefeito, José Luiz Alves Antunes, popularmente conhecido como Mandiocão, intensificar e investir no monitoramento remoto, objetivando reprimir, preventivamente, a criminalidade na nossa cidade, que está abandonada por parte da Administração Pública na saúde, na educação, no desenvolvimento urbano e na promoção social. O mecanismo do monitoramento ajudaria e muito o policiamento da cidade, principalmente no furto dos carros e dos celulares.

No mais, acho que é importante ressaltarmos o fato de que a criminalidade explodiu nos municípios vizinhos, mas que a cidade de Rio Bonito está abaixo do padrão estatístico na última década, salvo os crimes da violência doméstica, que foram computados recentemente.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

P_20160415_194455_1_p

Marquinho Luanda é autônomo e uma opção positiva nas Eleições 2016

Seguindo com a construção do perfil político rio-bonitense, conversei por quase duas horas com o pré-candidato a prefeito e atual vereador, Marquinho Luanda, do PMDB, que demonstrou clareza, maturidade, objetividade, humildade e audácia nas suas propostas e postura política, cujo histórico está em desenvolvimento desde 2008, quando conquistou mais de 900 votos nas urnas, mas não ocupou o cargo no legislativo municipal, por causa das variáveis diretamente ligadas à legenda e ao universo dos votos válidos, para alcançar o coeficiente eleitoral.

Eleito para vereador em 2012, pelo PMDB, Marquinho Luanda foi escolhido pela cúpula estadual do partido para concorrer ao cargo de deputado federal, tendo em vista a ausência dos candidatos no Município, obtendo 12.012 votos. Naquele momento, o candidato tinha caído nas graças do atual presidente da ALERJ, Jorge Picciani, além de ter ficado no meio do conflito político entre Picciani e Paulo Melo, que era o presidente da ALERJ em 2014 e o principal aliado político da prefeita, Solange Pereira de Almeida, que centralizou toda sua energia na tentativa de prospectar votos ao Deputado Federal e Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, isolando o Marquinho da máquina local, sabotando, literalmente, sua campanha. Mesmo assim, o Marquinho Luanda respondeu de forma positiva nas urnas, correndo o risco de ainda ocupar a cadeira de deputado federal como suplente. Em contrapartida, a prefeita, que possui a maioria das cadeiras na Câmara Municipal, tentou isolar o vereador de todas as formas, mesmo sendo colega do partido (PMDB), vislumbrando a reeleição ou a sucessão controlada pelo seu grupo político, cujos planos não tiveram êxito, em função das questões judiciais e da incapacidade gestora do atual governo.

O vereador, Marquinhos Luanda, votou contra o projeto do Estacionamento Rotativo, a proposta da alteração do IPREVIRB, além de ter atuado ao lado da vereadora Rita de Cássia na luta dos professores e na questão da educação municipal. Já o pré-candidato defende a valorização dos servidores públicos, o investimento na guarda municipal e no monitoramento remoto, focalizando seu discurso na manutenção racional e legal da educação e da saúde pública. Ele defende a otimização dos serviços da saúde na UPA, que está atendendo os municípios de Tanguá, Silva Jardim, Casimiro de Abreu, Itaboraí e adjacências, enquanto que os cidadãos rio-bonitenses estão sendo prejudicados em seu próprio município. Quanto ao Hospital Regional Darcy Vargas, o pré-candidato defende a gestão compartilhada e a auditoria contínua. Mas, a parte mais interessante das propostas do Marquinho Luanda, na minha opinião, se aplica na articulação da sua campanha, tendo em vista que, desde Aires Abdalla, eu não vejo um político que tenha conseguido se lançar candidato com o apoio unânime da Câmara Municipal e que conseguisse penetração nos três principais grupos políticos da nossa cidade, incluindo a comunidade católica e evangélica. Aliás, conforme as palavras do próprio, ele quer conquistar a confiança dos eleitores do Aires Abdalla, do José Luiz Alves Antunes (Mandiocão), da Solange Pereira de Almeida e, principalmente, do Aécio Moura.

Analisando o perfil do candidato de 2014 até a presente data, não tenho dúvidas de que a única coisa que liga a prefeita, Solange Pereira de Almeida, ao Marquinho Luanda é o partido político (PMDB), principalmente, após a saída do deputado estadual, Paulo Melo para o PTB, o que deixa bem claro e evidente que existe uma barreira emocional e ideológica entre os líderes, mesmo com a coligação municipal construída. No mais, acho que é preciso ter coragem para assumir posições públicas e inimigos declarados na política. O Marquinho Luanda teve essa coragem e é uma opção para os rio-bonitenses em 2016, enquanto que seu vice será o médico, JORGE BRANDÃO. No mais, vamos aguardar o desenrolar das tramas nos bastidores da política e seus efeitos na opinião pública.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

monitoramento-de-imagens-1-1024x682

Falando de Segurança Pública

Rio Bonito está dentro dos padrões estatísticos da tipologia hierárquica dos crimes, salvo, àqueles, que estão ligados diretamente aos casos da violência doméstica, focalizando a violência praticada contra a mulher, os idosos e as crianças. Nesse caso, estamos falando duma tipicidade de crime que acontece dentro de casa, no convívio da própria família. Como os juizados da violência doméstica ainda são relativamente novos,  é comum o desequilíbrio nos registros e nos indicadores de desenvolvimento humano, que tenderão diminuir com transcorrer do tempo e a aplicação da própria Lei.

A polícia militar do Município de Rio Bonito sempre foi muito ativa e presente na sociedade, incluindo o BPRV em Boa Esperança, que é um dos recordistas em prisões e apreensões de entorpecentes no nosso Estado. Para falar a verdade, eu considero o trabalho da polícia civil e militar um ato de heroísmo, tendo em vista as ausências de estruturas e investimentos, sem falar nos salários baixos. O número dos réus presos nas varas criminais já fala por si só, que temos uma polícia em plena atividade, mas, por motivos das leis físicas e da matéria, não poderá estar em todos os lugares e atender todos os chamados ao mesmo tempo.

Há tempos, eu estava indo ao Ministério Público, quando o órgão se encontrava localizado no centro da cidade, e me deparei com uma cena de participação social incrível: – Um ladrão tentou roubar uma loja na rua da conceição, usando uma pequena faca. Um cidadão, de estatura alta  e forte, saiu da sua zona de acomodação, interviu na tentativa de roubo, desarmou o criminoso e o mobilizou, até a vinda da polícia. Esse tipo de iniciativa não é coberta pela imprensa local, porque não vende. Mas, o fato é que os riobonitenses são conhecidos por sua capacidade de adaptação e respostas aos delitos. A fama surgiu, quando tentaram roubar um banco na cidade, se não me engano na década de 50 ou 60, enquanto que a sociedade se juntou com foices e enxadas, resolvendo o problema sumariamente. Essa fama ainda está em Rio Bonito. O cidadão que interveio na tentativa de roubo é o exemplo total desta solidariedade e energia local.

Comparando a estatística e as prisões na nossa cidade com outras localidades, o prazo de resposta está rápido e eficiente por parte da polícia. Todavia, a segurança pública poderia ficar mais ampla é ágil, se o Município de Rio Bonito, através da recém-criada secretaria de segurança pública fizesse sua parte, legalizando, investindo e equipando sua guarda municipal, bem como, estendendo o investimento no monitoramento remoto, que inibe as práticas criminais de um lado, além de materializar contexto probatório do outro. A verdade é que, se isolarmos a polícia civil e militar, que são instituições estratégicas e operacionais do Estado, a Secretaria de Segurança Pública se limita em fazer reuniões e mediar o encontro entre a sociedade e a força de polícia, com uma atividade mínima e inexistente, se utilizando dos órgãos do Estado para fazer a fama.

As polícias militar e civil, bem como a Operação Lei Seca, têm a minha aprovação, analisando todo o contexto social, o prazo de resposta, as prisões e a presença nos pontos estratégicos da nossa cidade. No entanto, a secretaria municipal de segurança pública precisa justificar o sentido da sua existência aos riobonitenses, porque muito pouco foi realizado ou planejado com relação à pasta, incluindo o descaso estratégico com o monitoramento remoto e o investimento na guarda municipal, que são instrumentos importantíssimos no combate e na prevenção na área da segurança pública, que também foram promessas realizadas no palanque durante as eleições municipais, em 2012.

 

Nadelson Costa Nogueira Junior