Posts

bolsonaro-deputado

Brasil precisa olhar para si e para o Jair Bolsonaro em 2018

Eleito deputado federal pelo sétimo mandato consecutivo pelo Estado do Rio de Janeiro, compreendendo 27 anos de política, o capitão da reserva do exército brasileiro, Jair Messias Bolsonaro, do PP (Partido Progressista), ficou no anonimato por um longo período, aparecendo em cena para a mídia nacional no episódio na sala verde da Câmara dos Deputados, onde ele travou o primeiro conflito televisionado contra a deputada federal Maria do Rosário em 2003 (clique aqui para ver o vídeo). De lá para cá, após uma guerra de condenações e recursos, a luta entre os dois parlamentares acabou dando muita evidência ao Bolsonaro, que conquistou seguidores com sua inteligência e oratória, baseando suas propostas na redução de menoridade penal, no fim do estatuto do desarmamento e no direito do cidadão de bem poder ser armar e se defender diante da inoperância do Estado, sendo posicionado pela imprensa como o representante da ala do “B” de bala no Congresso Nacional, cuja predominância representativa se faz em cima de mais dois “BB”, boi e bíblia.

Com a ausência das novas lideranças e a persistência das antigas, mesmo com a alta carga negativa perante a opinião pública, tais como condenações por improbidades administrativas, crimes de responsabilidade e corrupções ativas e passivas aguardando as decisões nos recursos dentro do Poder Judiciário, o deputado federal Jair Bolsonaro tem surgido como uma resposta ao sistema nas eleições presidenciais, principalmente para os estados do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e uma pequena parte de São Paulo, com o universo eleitoral composto, em sua maioria, por homens, com idade compreendida entre 18 a 55 anos, pertencentes à classe média, sendo a maioria trabalhador liberal, autônomo ou estudante. A possibilidade do Jair Bolsonaro ser eleito presidente da república em 2018 é baixíssima, tendo em vista que ele é do Rio de Janeiro, que não elege presidente desde a década de 1920 com a República das Espadas, enquanto que o deputado não conseguiu penetração forte nos Estados de São Paulo e Minas Gerais, com o Nordeste e o Norte do país dominados pelo PT (Partido dos Trabalhadores). Para piorar a situação, o Brasil possui mais eleitoras do que eleitores, logo a essência da briga do deputado com a Maria do Rosário foi considerada pelo público feminino como apologia ao estupro, pesando e muito na rejeição ao candidato, que não possui um plano de governo real e sustentável para o país, salvo a possibilidade de se tornar um ditador e impor sua vontade sobre a nação brasileira e à democracia.

Há um outro detalhe interessante na estratégia do deputado Jair Bolsonaro, que eu admiro, mas que também cria mais rejeição do que a prospecção de votos: – Ele está visitando o país nos últimos dois anos, atuando brilhantemente dentro das Lojas Maçônicas (clique aqui para ver o vídeo). O problema é que a aproximação anunciada do deputado às potências maçônicas o afasta do voto cristão, criando uma grande tempestade de interpretações e mitos em cima do mito que se criou ao acaso.

Se o eleitor está indignado e revoltado com a política brasileira e acredita, sinceramente, que o Bolsonaro e a intervenção militar são a solução, assim como qualquer ditador, para impor a ordem à força e, contraditoriamente, dentro da democracia, é porque ele é MONARQUISTA, mas não sabe disso por causa da programação social, que foi aplicada pela educação industrial republicana por mais de um século. Se tivéssemos um imperador legítimo, já estaríamos com um presidente eleito diretamente pelo voto, enquanto que os males do cotidiano seriam resolvidos rapidamente, porque o imperador é a CONSTITUIÇÃO VIVA, que fala e se faz cumprir nos três poderes. Pense nisso e estudo sobre o tema. Tenho certeza de que você irá se surpreender com o Segundo Reinado e a verdadeira essência da Monarquia Constitucional. E só para considerar a pertinência do assunto, os maiores indicadores de desenvolvimento humano estão nos países que utilizam a monarquia constitucional há séculos e que passaram pelas duas guerras mundiais.

Por fim, enquanto a república brasileira estiver na configuração doentia que se encontra na ética e na moralidade, mesmo com o discurso quadrado e antiquado para a atualidade, o Jair Bolsonaro demonstra sinceridade em suas palavras e acredita em suas ideias, o que já o torna diferente do sistema, cujos candidatos mentem e enganam para serem eleitos e se embebedarem no poder com seus parentes, afilhados e amigos. Será que ele conseguirá manter sua linha objetiva até o final da campanha eleitoral em 2018, caso venha se candidatar à Presidência da República, ou continuará nos bastidores da política brasileira, dentro da Câmara dos Deputados? – Não tenho vergonha de assumir que estou em dúvida em relação ao Jair Bolsonaro, porque ele se apresenta com o discurso do choque de ordem pública, que é necessário. Todavia, eu tenho medo pela democracia. Por outro lado, eu também não queria ver o Brasil do jeito que está, numa bagunça generalizada entre os três poderes, com a institucionalização do caixa dois e da corrupção, com altos índices de desemprego e a violência urbana.

 

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

18835492_727021557478365_5536971027548564087_n

Mandiocão precisa armar a Guarda Municipal para proteger Rio Bonito contra a marginalidade

Treinamento local da GMRB.

Treinamento local da GMRB.

A Lei nº 13.022 de 08/08/2014, que dispõe sobre o Estatuto das Guardas Municipais, estabelece que guarda municipal (GM) deixa de ter a função exclusiva de guardar o patrimônio público, ampliando seus princípios para a proteção dos direitos humanos fundamentais, a preservação da vida e o uso progressivo da força, conforme a essência do seu artigo 3º. Muito além dos debates da atualidade, a GM tem funções pedagógicas, vislumbrando a conscientização e a prevenção ambiental, tanto na zona urbana quanto na rural, ratificando cumulativamente suas responsabilidades administrativas e fiscais no trânsito.

Atualmente, a sociedade rio-bonitense vem discutindo nas ruas e nas redes sociais sobre um tema muito polêmico, que é justamente o porte e o uso de armamento bélico (letais) e das tecnologias não letais por parte dos guardas municipais, uma vez que a GM, que foi criada em 2000 no Governo da Solange Pereira de Almeida, tem sido subutilizada até a presente data, encontrando problemas políticos e técnicos dentro da sua organização, o que a atrapalha no cumprimento das funções básicas, que é a segurança patrimonial pública e o controle do trânsito local, numa cidade de 57.000 habitantes, que, ironicamente, só possui um único semáforo, que passa mais tempo desligado do que em funcionamento.

O caos governamental nos últimos 03 anos deixou bem claro para a opinião pública, que os municípios do interior do Estado do Rio de Janeiro terão que atuar de forma mais ativa e direta nas questões da segurança pública no combate à violência, obrigando a elevação da GM ao status da “polícia municipal”, com a utilização do monitoramento remoto, drones, radares de velocidade, cavalaria, viaturas e armamento, que evoluirão às tropas de choques, diante do crescimento descontrolado da população e do desemprego, o que exigirá o choque de ordem nos conflitos sociais. Assim, por exemplo, o Município de Araruama armou e equipou sua GM no carnaval de 2016, se tornando uma referência positiva para as regiões metropolitana e dos Lagos.

Há algo que o governo Mandiocão não está conseguindo realizar, que é justamente comunicar e informar. Isso se aplica no uso da comunicação interna e externa em todas as pastas e na construção da imagem do próprio governo. Dessa forma, a população não está compreendendo a necessidade imposta pelas circunstâncias socioeconômicas e pela própria crise generalizada na segurança pública, acreditando que o governo colocará as armas e as tecnologias nas mãos dos guardas municipais, sem qualquer preparo, quando todos os guardas concursados deverão passar pela reciclagem e pelo treinamento nas academias de polícia, no mesmo modelo aplicado em Araruama e nas cidades que anteciparam à obrigatoriedade do Estatuto das Guardas Municipais.

Por fim, o prefeito só tem dois caminhos para solucionar e prevenir a imigração da criminalidade da capital para os domínios de Rio Bonito: 01 – Fazer reuniões com o secretário de segurança público do Estado do Rio de Janeiro para tirar fotografias e nada mais; ou 02 – ampliar as forças de combate e prevenção, transformando a GM numa máquina de combate e em mais uma ferramenta para somar força operacional as polícias civil, militar e federal. Assim, espero que Mandiocão não seja político e tenha a coragem necessária para armar e reestruturar a nossa Guarda Municipal, objetivando garantir a ordem pública e a tranquilidade local.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

FB_IMG_1477488840517

URGENTE: Presidente da Câmara Municipal de Rio Bonito volta do coma de 05 anos durante a Sessão Legislativa

A Sessão Legislativa na Câmara Municipal nesta quinta-feira, 08/06/2017, foi brilhante. Deixando as ideologias e opiniões pessoais de lado, o vereador e presidente, Reginaldo Ferreira Dutra (Reis), que está no comando da casa por 05 anos consecutivos, apontou para o fato de que a segurança e saúde pública estão com problemas na logística e no atendimento ao cidadão.

No caso da segurança pública, o vereador foi preciso em relação ao excedente número dos guardas municipais no centro da cidade, enquanto que a maioria das localidades estão literalmente abandonadas. Simplesmente, a criminalidade necessita de resposta dentro dos domínios da nossa cidade, mas a guarda se limita à segurança patrimonial, deixando o cidadão em último plano. A ausência ficou maior, quando o vereador mencionou o monitoramento, que não saiu do papel até a presente data.

Todavia, a parte que eu mais gostei da manifestação do vereador Reis, foi quando ele atentou para o fato de que construir ESF, Posto de Saúde e Ginásio é fácil. A dificuldade está é na manutenção das estruturas, que exigem profissionais diversificados e o investimento preventivo dos materiais de conservação. Na saúde, por exemplo, enquanto que o atendimento está fluindo no ESF na Bela Vista, a Praça Cruzeiro, Parque Indiano, Parque das Acácias e Basílio estão sem médicos, com filas no atendimento e prazos de meses para o primeiro atendimento.

O vereador Reis foi brilhante no seu raciocínio. A única coisa que não bate é o fato dele ser veterano como vereador e de estar na Presidência da Câmara Municipal por 05 anos consecutivos. Em seu discurso, ele deixou claro que tais problemas são antigos na troca entre os governos municipais. A única coisa que me deixa assustado é o fato de vê-lo com o raciocínio tão lógico e lúcido na atualidade, quando há tempos atrás, a situação era igual ou talvez pior no centro e no interior da cidade, mas nada era falado, porque o governo era aliado, enquanto que o grupo político e os apadrinhados precisavam sobreviver, as custas dos cofres públicos e da distribuição dos contratos e dos cargos comissionados.

Por fim, a manutenção do Mandiocão na prefeitura está forçando os vereadores ao despertar do coma do ostracismo político. Agora, só falta a cereja do bolo, que seria justamente vê-los assumirem a responsabilidade nos erros e nas omissões cometidas nos últimos 25 anos, porque deixar tudo na conta dos prefeitos é covardia.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

whatsapp-image-2017-04-20-at-08-40-36

Em Tanguá, as autoridades e a sociedade utilizam as redes sociais no combate ao crime

Na terça-feira, 19/04/2017, a 35ª Subseção da OAB/RJ (Rio Bonito, Silva Jardim e Tanguá), representada pelo Dr. Romero Valentim, participou de reunião em novo formato, junto com empresários, autoridades e militares sobre a segurança pública no município de Tanguá, objetivando dar maior dinamismo às questões ligadas à segurança e a ordem pública.

De fato, a reunião foi a materialização da iniciativa adotada pela polícia militar, a guarda municipal, os comerciantes, a Câmara Municipal e outras autoridades, cuja origem se deu por meio do grupo organizado no WhatsApp, utilizando as redes sociais como uma ferramenta de informação e cooperação no combate à criminalidade no município de Tanguá, enquanto que o Comandante da 2ª CIA/PM, Capitão Marcelo, trouxe consigo a coordenação operacional necessária para aumentar a eficiência do projeto no operacional cotidiano e nas redes socais.

A inserção da OAB traz o suporte do ativismo jurídico e da ampliação da cidadania ao grupo, que demonstra potencial para se tornar o conselho comunitário de segurança pública ou uma associação comunitária, com corpo, alma, substrato e substância para dar maior voz à sociedade dentro das questões relacionadas à segurança pública e aos possíveis choques de ordem.

Por fim, o projeto vai de encontro aos conceitos adotados na comunicação digital, tais como a portabilidade e a construção do sistema de redes e células corporativas e domésticas, que conectam os cidadãos e a sociedade, facilitando a solução e a vigilância dos problemas sociais. No mais, espero que o município de Tanguá consiga desenvolver seus projetos de monitoramento remoto, deixando o município de Rio Bonito para trás nesse tema também, uma vez que as ideias não saem do papel e das promessas dos gestores públicos em relação aos temas pertinentes à pasta da Segurança Pública no lado de cá do rio.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

picture

A Criminalidade bateu à porta das famílias tradicionais rio-bonitenses, exigindo medidas preventivas

download-3Como escritor, eu evito escrever sobre a criminalidade no município de Rio Bonito, tendo em vista que esse tipo de tema vende facilmente, por retratar o medo e o terror urbano, alertando a sociedade e a marginalidade estrangeira, como se fosse o sinal do Batman, chamando o coringa. Todavia, as circunstâncias me obrigaram a quebrar o código, vislumbrando alertar os rio-bonitenses sobre o problema, incluindo suas causas e efeitos.

Ontem à noite, sábado, 10/12/2016, por volta das 21:00 horas, uma adolescente foi abordada por dois marginais, que estavam armados e de moto, na Rua Dr. João Batista, conhecida como a Rua do Antigo Laboratório Kramer, que possui acesso direto à BR-101,  no sentido ao Rio de Janeiro. Os meliantes levaram o celular da menina e, automaticamente, deixaram o trauma na vítima, na família e em todo quadrante, tendo em vista que a área é considerada calma, enquanto que parte das famílias tradicionais de Rio Bonito reside por lá, há gerações.

Conforme as informações prestadas até o momento, a família foi à 119ª DP de Rio Bonito, registrando a ocorrência do crime, enquanto que o sistema de localização do celular roubado está indicando que o aparelho se encontra no bairro da varginha, localizado em Silva Jardim.

O problema ético e moral do noticiário criminal é que, quando o jornalista divulga o fato, acaba fazendo a propaganda do terror e do medo dentro da sociedade, o que ganha muita força em Rio Bonito, que é conhecida por ser uma cidade pacata e hospedeira aos seus visitantes. Assim, a divulgação da criminalidade, por menor que seja, atrapalha a dinâmica econômica e financeira da região, saindo do campo da individualidade e penetrando no campo da coletividade.

Os rio-bonitenses precisam se sentar para refletir como chegamos aqui, tendo em vista que a criminalidade é o resultado da diversidade das variáveis intervenientes, que vão desde a evasão na educação até a falta de capacitação profissional e a ausência na inclusão da maior parte da população no mercado de trabalho, causando o desequilíbrio na segurança pública, provocando a construção das fortalezas privadas, dos guetos nas periferias e dos feudos nas cidades do interior. O problema é que a rua é pública, enquanto que todos possuem o direito de ir e vir, independentemente de serem marginais ou trabalhadores. Logo, é imperativo para o próximo prefeito, José Luiz Alves Antunes, popularmente conhecido como Mandiocão, intensificar e investir no monitoramento remoto, objetivando reprimir, preventivamente, a criminalidade na nossa cidade, que está abandonada por parte da Administração Pública na saúde, na educação, no desenvolvimento urbano e na promoção social. O mecanismo do monitoramento ajudaria e muito o policiamento da cidade, principalmente no furto dos carros e dos celulares.

No mais, acho que é importante ressaltarmos o fato de que a criminalidade explodiu nos municípios vizinhos, mas que a cidade de Rio Bonito está abaixo do padrão estatístico na última década, salvo os crimes da violência doméstica, que foram computados recentemente.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

20150710201724-180x180

O caminhão é meu, mas prefiro incomodar a vizinhança, estacionando longe da minha casa

Observem a vegetação debaixo do caminhão

Observem a vegetação debaixo do caminhão

Já faz alguns anos que a paisagem da Praça Cruzeito vem se alterando, continuamente. Devido à supervalorização imobiliária, a única alternativa para quem já tinha imóvel no bairro foi permitir que as gerações seguintes construíssem várias casas no mesmo terreno. Essa solução de sobrevivência econômica provocou mudanças no trânsito e no estacionamento ao longo da ruas dentro da Praça Cruzeiro.

Meus pais residem na Rua Teixeira de Souza, nº231, na Praça Cruzeiro, que é justamente a rua onde se localizam o PSF, a Primeira Igreja Batista e a Padaria do Carlinhos. O fluxo dos carros é grande na Rua Teixeira de Souza, principalmente de Quinta-Feira a Domingo, por causa do expediente da Igreja Batista. Todavia, não são os carros que são o motivo da reclamação por parte da vizinhança, mas o caminhão que fica parado em frente ao nº 231, que atrapalha o trânsito tanto para os moradores, quanto para comércio local. O detalhe é que o caminhão também gera área de sombra na calçada à noite, dando oportunidade para que as pessoas estranhas se escondam, colocando todos em risco.

Hoje, por exemplo, outro caminhão precisou se deslocar pela Teixeira de Souza e teve problema no trajeto, por causa do veículo em questão. No último sábado, 03/07/2015, às 07:20 horas, as duas unidades do SAMU, que estavam atendendo as emergência na Rua Teixeira de Souza, 231, tiveram dificuldade no estacionamento e na logística do transporte do paciente, que era o meu pai, por causa do mesmo caminhão.

Por tal motivo, venho através deste artigo atentar para o fato de que os caminhoneiros precisam ter consciência do local onde estacionam seus caminhões, porque eles podem provocar problemas no trânsito, na segurança e na vida privada de terceiros. Quanto ao caminhão que está parado há dias em frente ao número 231, na Rua Teixeira de Souza, já estou aproveitando o canal e solicitando às autoridades do trânsito municipal para visitarem o local, visando aplicar os procedimentos de praxe, antes que alguém morra no exercício do trabalho do resgate, algum veícuo seja danificado, ou aconeteça o aumento da criminalidade em função do mesmo veículo.

Por fim, este texto surgiu em função da falta do bom senso e da solidariedade do proprietário do caminhão, que poderia estacioná-lo em frente da sua residência, limitando tais problemas para si. Mas, parece que a opção dele foi deixar sua residência sem qualquer pertubação, transferindo os transtornos à vizinhança.

 

Nadelson Costa Nogueira Junior

monitoramento-de-imagens-1-1024x682

Falando de Segurança Pública

Rio Bonito está dentro dos padrões estatísticos da tipologia hierárquica dos crimes, salvo, àqueles, que estão ligados diretamente aos casos da violência doméstica, focalizando a violência praticada contra a mulher, os idosos e as crianças. Nesse caso, estamos falando duma tipicidade de crime que acontece dentro de casa, no convívio da própria família. Como os juizados da violência doméstica ainda são relativamente novos,  é comum o desequilíbrio nos registros e nos indicadores de desenvolvimento humano, que tenderão diminuir com transcorrer do tempo e a aplicação da própria Lei.

A polícia militar do Município de Rio Bonito sempre foi muito ativa e presente na sociedade, incluindo o BPRV em Boa Esperança, que é um dos recordistas em prisões e apreensões de entorpecentes no nosso Estado. Para falar a verdade, eu considero o trabalho da polícia civil e militar um ato de heroísmo, tendo em vista as ausências de estruturas e investimentos, sem falar nos salários baixos. O número dos réus presos nas varas criminais já fala por si só, que temos uma polícia em plena atividade, mas, por motivos das leis físicas e da matéria, não poderá estar em todos os lugares e atender todos os chamados ao mesmo tempo.

Há tempos, eu estava indo ao Ministério Público, quando o órgão se encontrava localizado no centro da cidade, e me deparei com uma cena de participação social incrível: – Um ladrão tentou roubar uma loja na rua da conceição, usando uma pequena faca. Um cidadão, de estatura alta  e forte, saiu da sua zona de acomodação, interviu na tentativa de roubo, desarmou o criminoso e o mobilizou, até a vinda da polícia. Esse tipo de iniciativa não é coberta pela imprensa local, porque não vende. Mas, o fato é que os riobonitenses são conhecidos por sua capacidade de adaptação e respostas aos delitos. A fama surgiu, quando tentaram roubar um banco na cidade, se não me engano na década de 50 ou 60, enquanto que a sociedade se juntou com foices e enxadas, resolvendo o problema sumariamente. Essa fama ainda está em Rio Bonito. O cidadão que interveio na tentativa de roubo é o exemplo total desta solidariedade e energia local.

Comparando a estatística e as prisões na nossa cidade com outras localidades, o prazo de resposta está rápido e eficiente por parte da polícia. Todavia, a segurança pública poderia ficar mais ampla é ágil, se o Município de Rio Bonito, através da recém-criada secretaria de segurança pública fizesse sua parte, legalizando, investindo e equipando sua guarda municipal, bem como, estendendo o investimento no monitoramento remoto, que inibe as práticas criminais de um lado, além de materializar contexto probatório do outro. A verdade é que, se isolarmos a polícia civil e militar, que são instituições estratégicas e operacionais do Estado, a Secretaria de Segurança Pública se limita em fazer reuniões e mediar o encontro entre a sociedade e a força de polícia, com uma atividade mínima e inexistente, se utilizando dos órgãos do Estado para fazer a fama.

As polícias militar e civil, bem como a Operação Lei Seca, têm a minha aprovação, analisando todo o contexto social, o prazo de resposta, as prisões e a presença nos pontos estratégicos da nossa cidade. No entanto, a secretaria municipal de segurança pública precisa justificar o sentido da sua existência aos riobonitenses, porque muito pouco foi realizado ou planejado com relação à pasta, incluindo o descaso estratégico com o monitoramento remoto e o investimento na guarda municipal, que são instrumentos importantíssimos no combate e na prevenção na área da segurança pública, que também foram promessas realizadas no palanque durante as eleições municipais, em 2012.

 

Nadelson Costa Nogueira Junior