carnaval-2015

Carnaval 2017 é uma questão de honra e política para Mandiocão

carnavalfotoCom menos de 30 dias para o carnaval 2017, o Município de Rio Bonito ainda passa pelos efeitos da calamidade financeira decretada pelo prefeito José Luiz Alves Antunes (Mandiocão), em  decorrência das dívidas herdadas do governo anterior.  Mesmo assim, o prefeito afirmou que Rio Bonito terá carnaval, contando com a participação público-privada, focalizando os empresários do comércio e da indústria local.

Sou um entusiasta da PPP (Participação Público-Privada), enquanto que tive a oportunidade de ver vários projetos surgirem e se manterem em tal formato na área do turismo e da segurança pública na cidade do Rio de Janeiro,  trazendo o lucro financeiro ao comércio e aos hotéis, além de manter o lucro social com a geração das novas vagas de emprego e das oportunidades dos negócios. Todavia, há algo que está incomodando os empresários riobonitenses, uma vez que eles estão preocupados com o fato de patrocinarem parte dos projetos  da atual gestão, vislumbrando o ponto de equilíbrio no fluxo de caixa da prefeitura  e de todas as contas, enquanto que a tradição da administração pública brasileira é gastar as economias de uma pasta com outra. Em suma, o princípio da economia fica em último lugar, o que resume as dívidas herdades de um mandato para outro.

Por fim, comemorar o carnaval riobonitense se tornou uma questão de honra para o Mandiocão, uma vez que sua maior bandeira é a realização das festas, enquanto que Rio Bonito não testemunha uma grande festa desde 2013.  Assim, o carnaval se tornou uma questão política, tendo em vista que envolve o interesse da gestão pública, do grupo político dominante e da própria sociedade, reforçando os conceitos do domínio do território e da manutenção do exército. Logo, se o carnaval não for realizado este ano, Mandiocão  dará continuidade à inércia da era Solange Pereira de Almeida.

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

Comentários