censura

Censura

Estou sem palavras para expressar aquilo que sinto.

Estou sem palavras para dialogar com as pessoas.

Tenho muito para falar, mas não posso.

No mundo bipolar, somos obrigados a escolher lados.

Não importa se seremos a oposição ou a situação,

Porque a censura é dita nas entrelinhas dos discursos,

Enquanto que seus adeptos ameaçam a ordem pública,

Ora com a violência e as armas, Ora com a jactância e a ignorância.

No final, me calo, não pelo medo da represália comunitária,

Mas, para que não me confundam com a bagunça.

E assim, executo meu direito constitucional de ficar em silêncio,

Degustando o sabor da revolução na leitura dos livros,

Evitando o desgosto da decepção e do tédio,

Deixando de calcular os lucros e prejuízos.

Logo, no benefício da clausura, como remédio,

Me tornei prisioneiro de mim mesmo,

Colecionando experiências e emoções do circo,

Cujos atores fugiram da doçura do hospício,

Para tornarem a existência humana mais cativante.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

Comentários