Screenshot_2016-03-30-13-53-00_1

Prefeitos e Vereadores? Existe esperança?

A política, apesar do momento tão delicado que atravessamos, pode ser um caminho privilegiado para o serviço do bem comum e da justiça. Se ressuscitada na sua essência mais profunda, pode ainda se tornar uma forma sublime de desenvolvimento humano e caridade.

No contexto atual das pré-candidaturas para nossas Prefeituras e Câmaras Municipais, urge abrir os olhos e a consciência para não sofrermos os frutos amargos de nossas escolhas equivocadas.

Seu voto para escolher o Prefeito e os Vereadores da tua Cidade é muito importante! Dependerá de você que nosso Município, por exemplo, seja governado por pessoas que queiram, verdadeiramente, o bem de todos. Quem não consegue cuidar de sua própria casa, de seus negócios pessoais ou de sua pequena ou grande empresa não terá condições de representar-nos, nem na Prefeitura nem na Câmara dos Vereadores! Um aviso básico que, infelizmente, nunca perde a atualidade: não vote em candidatos que trocam o seu voto por tijolos, cestas básicas, exames médicos ou promessas fictícias de que melhorarão seu bairro.

O que nós esperamos dos próximos candidatos?

Esperamos o mínimo de respeito aos seus eleitores!

Não nos podem ver como números de um título de eleitor. Esperamos que um prefeito eleito esteja sempre próximo aos seus munícipes, e não apenas com a caneta em seu gabinete. Queremos ver nossos representantes no meio da nossa realidade.

Esperamos um pequeno plano de governo!

Precisamos ouvir e ver ao menos algumas propostas viáveis e possíveis de serem praticadas. Que neste plano se priorize a luta pelos mais pobres, a defesa pela vida e o respeito pela família natural.

Esperamos uma ação decidida para um investimento afetivo e efetivo na Educação e na Saúde!

Precisamos novamente ensinar valores e não apenas conteúdos, assegurando uma política educativa que favoreça maior inclusão social e respeito pela dignidade humana. Precisamos tirar nossos alunos das praças, das ruas, das casas de jogos e de lugares piores. Precisamos de escolas funcionando! Precisamos de professores bem renumerados, alunos, livros e cadernos, regras e comprometimento de pessoas querendo fazer a diferença!

O acesso e o direito de todos os munícipes à saúde é outro urgente e grande desafio do gestor do Município. O futuro prefeito precisa que bons profissionais encontrem ambientes para um dos trabalhos mais sublimes da face da Terra. Precisamos de infraestrutura, aparelhos, remédios e humanidade! Brigas políticas e partidárias não podem comprometer a vida de seres humanos! Até quando perderemos vidas por tão pouco?

Esperamos mais Segurança Pública!

Como em todas as profissões, temos a seguinte impressão: a nossa segurança, por um lado, se encontra nas mãos de pessoas despreparadas e corruptas; e, por outro, homens honestos e preparados que esbarram na deficiência do sistema e na falta de apoio dos políticos atuais, que devem ter seguranças particulares em suas casas e ruas. Uma Cidade sem segurança vai gerar facilmente aumento de drogas, prostituição e violência. Em duas palavras: desordem e marginalização!

Esperamos uma real preocupação com o meio ambiente e medidas para a sua urgente preservação!

No mês de Julho de 2015, o Papa encontrou-se com prefeitos do mundo inteiro e discursou sobre esse tema. Vejamos:

Cuidar do ambiente significa uma atitude de ecologia humana. Ou seja, não podemos dizer: a pessoa está aqui, e a Criação, o ambiente está ali. A ecologia é total, é humana. Isso é o que eu quis expressar na Encíclica Laudato si’: que não se pode separar o homem do resto, existe uma relação de incidência mútua, seja do ambiente sobre a pessoa, seja da pessoa no modo como trata o ambiente; e também o efeito de rebote contra o homem, quando o ambiente é maltratado.

Por isso, diante de uma pergunta que me fizeram, eu disse: “Não, não é uma encíclica ‘verde’, é uma encíclica social”. Porque, dentro do entorno social, da vida social dos homens, não podemos separar o cuidado do ambiente. Mais ainda, o cuidado do ambiente é uma atitude social, que nos socializa, em um sentido ou outro – cada um pode dar-lhe o valor que quiser –, e, por outro lado, nos faz receber – eu gosto da expressão italiana quando falam do ambiente – do “Criado”, daquilo que nos foi dado como dom, ou seja, o ambiente.

Por outro lado, por que esse convite, que me pareceu uma ideia muito fecunda, de convidar os prefeitos das grandes cidades e não tão grandes, mas convidá-los aqui para falar disso? Porque uma das coisas que mais se nota quando o ambiente, a Criação não é cuidada é o crescimento desmedido das cidades. É um fenômeno mundial. É como se as cabeças, as grandes cidades, tornam-se grandes, mas cada vez mais com cinturões de pobreza e de miséria maiores, onde as pessoas sofrem os efeitos de um descuido do ambiente. Nesse sentido, está envolvido o fenômeno migratório. Por que as pessoas vêm para as grandes cidades, para os cinturões das grandes cidades, as favelas? Por que isso se arma? Simplesmente porque o mundo rural para eles já não lhes dá oportunidades.”

Esperamos uma postura séria contra a corrupção!Precisamos combater o câncer da corrupção em todos os níveis, recriando a cultura da verdade e da justiça. Oremos também para que haja autênticas vocações políticas entre nós e que não desistam na atual conjuntura. Se os poucos bons políticos desistirem, automaticamente, o caminho ficará aberto aos corruptos!

Esperamos, enfim, uma gestão compartilhada!

Sonho? Idealismo romântico? Não! Na verdade, deveríamos governar juntos. Chega de briguinhas egoístas entre prefeitos e vereadores! Chega apenas de críticas sem ação de nossa parte! Comerciantes? Líderes religiosos? Onde estamos? Vamos agir independente da política quando esta não quiser agir! Vamos fazer política solidária, fraterna, comunitária, do encontro, da amizade social, da reconciliação, da cura das feridas do passado e do presente, do amor! Deveríamos ajudar, nem que fosse opinando, incomodando, cobrando, reivindicando e revisando. Nossos vereadores estão soltos. A grande parte nada fez e muitos acumulando mandatos… entraram e saíram despercebidos e inoperantes. Precisamos de políticos que exerçam sua função por amor: Amor à Cidade, Amor ao próximo! Já ouviram algum deles falar de amor no palanque? Vamos desistir? Isto é o que os maus políticos querem! Desertar é a opção dos fracos!

Prefeitos e Vereadores? Existe esperança? Prefeituras e Câmaras? Depende de nós! Existe SIM Esperança! Depende de todos nós! Ninguém nunca governou nem governará sozinho. Não podemos perder o interesse por este âmbito e não se comprometer na construção de uma convivência civil e social mais humana. Canalizemos nossa insatisfação presente em amor e ação! São momentos de crise como este que podem nos levar a um grande avivamento de bem, de amor, de política autêntica, limpa e verdadeira! Que caiam os poderosos e Deus eleve os justos! Que renasçam Municípios mais humanos e um Brasil com mais Ordem e Progresso, Ordem de Justiça e Paz, Progresso na Prosperidade completa e no Amor. Amém!

Padre Dudu

Comentários