images (8)

Soneto da Timidez.

Minha timidez é meu medo.
Meu medo justifica minha timidez.
Não é uma questão de ir ou vir,
De certo ou errado…

As coisas acontecem do nada.
Só basta aparecer algo diferente,
Que ela se alastra…
Como o freio da alma e da mente.

Será o medo do desconhecido?
Ou será o medo do medo?
Talvez seja só um detalhe.

Em alguns casos,
O coração dispara e o corpo fica dormente.
Parece que o chão vai se abrir.

O rosto fica todo avermelhado.
As pálpebras se abrem e fecham…
Repentinamente, dá vontade…
De ver tudo sumir ou a si mesmo.

Até acontecer o primeiro toque
Ou, simplesmente, o impulso…
De levar à realização do primeiro beijo.
Tudo parece não ter conserto.

Assim é a dialética do tímido:
Ver o mundo difícil desde o início…
Desconfiar de todos até que não haja mais confiança.

Conviver com a esperança
De não ser o primeiro a falar
Ou a Ter que puxar a conversa.

Nadelson Costa Nogueira Junior

Comentários