Posts

whatsapp-image-2018-01-29-at-21-29-52

Estúdio de Dança Sonharte apresenta Karina Freitas, professora de Ballet e Jazz

Com 06 anos de experiência no ballet e no jazz, a professora Karina Freitas integrou o grupo de dança ministerial amadora por 04 anos, estagiando ballet e jazz por 02 anos com a Carol Rodrigues, no Estúdio de Dança Sonharte e danças urbanas com o professor Marcos Paulo por 01 ano.

Ela também é estudante de fisioterapia, maximizando sua expertise na dança e nas coreografias, aplicando as noções da anatomia e fisiologia humana no desenvolvimento motor dos alunos e no processo criativo coreográfico na dança.
Para Karina Freitas, “a dança é algo que desejo levar consigo pro resto da sua vida, pois é uma linguagem incrível que nos permite expressar o que sentimos através dos movimentos do nosso corpo.”

 

[layerslider id=”16″]

 

Por Karina Freitas.

a7cbd8b71147953b61f65504d71c282b (1)

A consultoria é a psiquiatria das organizações

A empresa necessita interagir consigo e com o mercado para se compreender no tempo e no espaço, como uma criança em desenvolvimento.

A empresa necessita interagir consigo e com o mercado para se compreender no tempo e no espaço, como uma criança em desenvolvimento.

Considerando o fato de que as organizações possuem características fisiológicas, enquanto que seus problemas podem ser comparados às patologias funcionais dentro do sistema do trabalho ou do mercado de atuação, comparar o consultor a uma espécie de “médico das empresas” é uma terminonlogia, analogicamente, correta, tendo em vista que o consultor fará todos os procedimentos de um médico, tais como os diagnósticos e os tratamentos para cada sintoma, aplicando seus efeitos aos problemas nas empresas, mas, com uma grande diferença: – Ao contrário do médico, que fará toda leitura por exames e procedimentos, diganosticando o paciente por inteiro, o consultor seguirá a diagnóstico e o tratamento em função da leitura e da postura do cliente. Logo, se a comparação é com a medicina, o consutor está mais para o psiquiatra do que para qualquer outra especialidade médica, trabalhando com exames e as variações da cultura organizacional, dentro do estresse provocado por sua presença, atividade e metodologia de mudança perante os colaboradores.

Assim, temos dois tipos de psiquiatria ou consultoria organizacional, a interna, que corresponde à consultoria que é realizada pelo colaborador da orgazinação, que conhece a história, a cultura organizacional e situação da empresa. Esse tipo de consultoria é muito comum no RH (Recursos Humanos), que atua no diversos setores e departamentos da organizações, tais como finanças, marketing, entre outros. Também teremos a consultoria externa, que é quando o consultor não possui vínculo com a empresa, vindo de fora para auxiliar o cliente nas necessidades apontadas por si.

A vantagem da consultoria interna é o fato do consultor já está habituado com a organização, economizando tempo com as adaptações. Já a desvantagem da consultoria interna é o fato do consultor fazer parte do sistema, o que pode comprometer o processo da mudança na maioria dos casos, por questões da limitação da visão sistêmica ou pela resistência à mudança por si só, tanto de sua parte quanto por parte dos demais colaboradores e da alta administração.

A vantagem da consultoria externa é o fato do consultor não possuir vínculo com a organização, o que facilita o processo de implementação das mudanças, após a observação e o diagnóstico dos problemas, tranzendo experiências e práticas de fora para dentro da empresa. A desvantagem é  que a consultoria externa provocará estresse entre os calaboradores, em função da resistência às mudanças e às adaptações necessárias para que a organização sobreviva aos altos e baixos do mercado.

O ideal é que a Consultoria Externa aconteça em parceria com o consultor interno, maximizando-se, assim, as soluções e diminuindo os conflitos e a resitência às mudanças. Em suma, saindo da linguagem empresarial para a médica, poderemos concluir que o tratamento ficará muito mais fácil quando o médico e o paciente praticarem a empatia e se colocarem em posições opostas, visando alcançar a qualidade de vida e a alta do paciente, com clareza, certeza e maturidade. Esse é o objetivo global de todo e qualquer consultor organizacional, sendo-lhe interno ou externo.

Por fim, tanto o paciente quanto as organizações buscam a cura através do outro, quando a ausência das competências necessárias não permite a visão do futuro ou a realidade de um presente saudável.

 

Nadelson Costa Nogueira Junior