Posts

padre-eduardo

DEZ PASSOS PARA COMEÇAR O ANO EM DEUS – Por Padre Dudu

“Diariamente, somos desafiados a “dar a Deus o que é de Deus e a César o que é de César”. É um bom combate, uma luta constante na batalha da vida! Não é só a ação ou a experiência que enriquecem nosso ser. Tudo depende da qualidade dos nossos atos e experiências. Uma abundância de ações mal vividas também pode esgotar nosso ser, esvaziar nossos sonhos, roubar o sentido da vida. Não podemos viver apenas para “fazer alguma coisa”.
Como viver no início deste Novo Ano?
Começar em comunhão com Deus, Sob o olhar carinhoso da Mãe: Guardar o primado de Deus! Nos primeiros instantes de 2016, pela fé, entregamos tudo a Ele! O cristão deveria, onde estivesse, com quem estivesse, parar e rezar. No primeiro dia do ano civil, a Igreja nos faz celebrar a “Mãe de Deus”. Dia Santo de preceito. Começar com a benção da Mãe nos deve confortar! Consagrar o novo ano a Ela: Eis um bom e santo segredo!
Vivendo reconciliados: Começar o ano com ressentimentos e mágoas não é inteligente nem poderá fazer bem. Aproveite o dia internacional da paz para estar em paz com todos! Libere perdão! Comece um novo ano interiormente livre, literalmente novo.
Em Família: Em meio ao contexto da crise, não se pode esquecer que a Família é o melhor recurso do ser humano. Basta pouco para programar algo em família. Na verdade, basta querer. Não são grandes viagens; mas momentos intensos vividos juntos nestes dias onde possivelmente todos gozam de férias.
Cuidar da saúde: Bom também seria tirar uns poucos dias para os exames de rotina. Cuidar do corpo que precisará ter forças suficientes para enfrentar os desafios do novo ano;

Viver com propósitos: Um pequeno plano de vida não faz mal a ninguém. Nada de esquemas rígidos e fechados; mas alguns objetivos, virtudes e propósitos a serem alcançados devem nos motivar quando as dificuldades chegarem;

O justo descanso: Descansar é sempre necessário e salutar. Repousar ao menos dois ou três dias é uma necessidade neste tempo presente. Fazer memória de como Deus, em sua fidelidade e providência, tem me ajudado; permitir a alma descansar em Deus, entregando a Ele as preocupações;

Boas leituras, sobretudo a Escritura: O tempo das férias pode ser propício para as leituras que enriquecem e fortalecem nosso espírito. Recordo de um pedido do Papa Bento: Leiam integralmente os pequenos livros da Bíblia durante as férias!

Visite parentes e amigos: Aproveitar o tempo livre para viver a “cultura do encontro” visitando pessoas que você não vê há algum tempo é um ato salutar;
Praticar obras de misericórdia: Como bons católicos, em comunhão com o Ano Santo da Misericórdia, o exercício das obras espirituais e corporais de Misericórdia pode ser um ato concreto para nossa vivência de férias verdadeiramente cristãs;
Participe da Santa Missa em Igrejas que você ainda não conhece: Ao fazer tua programação semanal ou mensal de férias, priorize a Santa Missa dominical, e, se puder, vá a uma Comunidade Católica diferente para perceber a riqueza e a diversidade da nossa Igreja. Se estiver em um grande centro onde tenha a Catedral, visite a Porta Santa neste Ano da Misericórdia!
Que a Fé no Deus Vivo e Verdadeiro nos diga que Ele nos acompanhará todos os dias deste ano que começamos. Sustentados pela Esperança, caminhemos na certeza de que é Fiel Quem fez a Promessa! Oh não! Ele Não dorme, nem cochila! O Seu Espírito virá em socorro à nossa fraqueza! Caminhemos, ao longo deste ano, Ano da Misericórdia, certos de que a alegria de Deus é nos perdoar e fazer em nós, como em Maria, maravilhas!”

Padre Dudu

Padre-Dudu-Braga

🎄Natal em 2017🎄 Por Padre Dudu

Estamos vivos para fazer memória desta data que mudou o rumo da história: Deus nasceu! Que surpresa! 😀
Se abríssemos os corações como abrimos os presentes? 🎁🛍💕
Se apenas fôssemos homens e mulheres de boa vontade para receber a paz que o Menino trouxe? 😇
Que não falte o ingrediente essencial na ceia: O Amor! 
Que não falte o convidado principal desta Festa: Deus! 🙏
Desejo muito o principal e mais urgente de todos os indutos: Soltar a maldade que começa na mente e no coração e se derrama no julgamento sobre os outros. 👀Indulto perene aos nossos próprios algozes, criados e alimentados por nós próprios! 😍
Ah, se os presidentes e os povos chegassem ao acordo que Jerusalém, Cidade da Paz, tivesse no coração de cada pessoa a sua capital? 💒
Oxalá, Belém, Casa do Pão, fosse prolongada em cada Casa nesta noite, e que Deus pudesse novamente amar os outros através de nós…🏡
Seria Natal se voltássemos a amar! Será Natal, disse um dia Madre Teresa, sempre que sorrires ao teu irmão e lhe ofereceres a tua mão a quem sofre.👫
Será Natal se o governo atender o pedido das crianças do sertão de Pernambuco que pediram água ao Papai Noel. 🎅🏾😭
Será Natal na casa da comerciante do interior de São Paulo que atendeu ao pedido de Bruno, uma criança de 11 anos, que cuida da vó com câncer, e que pediu um pão com queijo e presunto ao Papai Noel! Obrigado Mayara! 👏👏👏
Alegria, oração e gratidão foi o que pediu o Papa Francisco para vivenciarmos de modo autêntico este Natal.🌍
Meus votos é que cada um faça a sua parte no amor, e o Divino Menino nos ajudará!
Unidos 🙏🔥

Pe. Dudu 24/12/17

Padre-Dudu-Braga

Independência e Esperança por Padre Dudu

“Hoje é um dia fundamental para nossa vida de brasileiros, dia histórico e profético. Celebrar a independência de nossa pátria é sonhar com o Povo que quis criar, amar, redimir e santificar. Não somos um povo qualquer! Caminhamos na fé e não apenas guiados pelas delações premiadas. A sabedoria do Espírito nos diz que nossa crise não é econômica, mas a ausência de amor à Deus e ao próximo!

A convocação dos nossos bispos brasileiros hoje para um dia de jejum e oração é um ato profético! O Documento de Aparecida nos ensinou que “O que nos define não são as circunstâncias dramáticas da vida, nem os desafios da sociedade ou as tarefas que devemos empreender, mas acima de tudo o amor recebido do Pai graças a Jesus Cristo pela unção do Espírito Santo” (n. 14).

Não são as conjunturas sociais que nos definirão! Quem tem fé, dizia Bento XVI, vive difrente! Levante gigante adormecido! Que se ouça do Ipiranga agora um grito de esperança! Seremos um povo heroico (como diz nosso hino) se formos uma pátria formada de homens e mulheres que não percam a esperança em Deus, nas pessoas, e portanto, no futuro. O que o Papa Francisco disse hoje na Colômbia, sirva também para nós neste dia:  “Não se deixem vencer. Mantenham a esperança e a alegria”!

Nesta mudança de época, nesta mudança do cenário sócio-político-econômico brasileiro, oremos pela mudança dos nossos corações para a mudança das nossas estruturas! Temos, como Igreja Católica um legado inegável e um ministério profético para o futuro da nação de Santa Cruz! Diante da imposição de culturas superficiais e maléficas, proclamemos a civilização do amor, proclamando o que cantamos em nossas celebrações que “a vida é bem mais do que aquilo que o mundo ensina”.

Junto à Cruz desta Santa Terra, foi encontrada também a Senhora da Esperança (imagem que os portugueses trouxeram nas caravelas que vieram para o Brasil): Maria! Somos uma Pátria que cresce debaixo de um olhar materno! Há 300 anos Deus escolheu um lugar de cura, libertação, avivamento, milagres, devoção e fé. Não existe e nem existirá no Brasil um epicentro, tão poderoso espiritualmente falando, como o lugar onde aquelas redes foram lançadas! E hoje, 7 de Setembro, no Evangelho do dia, Jesus pede que as redes sejam lançadas (Cf. Lc 5, 1-11). Eles já haviam lavado as redes e estavam desistindo da pesca. Imagem do Povo Brasileiro que está prestes a desistir…Não! Com Jesus nos espera um pesca milagrosa. Esta foi a ordem de João de Deus, São João Paulo II, para o terceiro milênio: Duc in altum! Avançem para as águas profundas! Sete é plenitude! 7 de Setembro! Que a Onipotência e a Perfeição de Deus toque a nossa Terra, abençoe nossa nação e cure a todos nós, brasileiros! Haverá um levante! Creiamos como o Papa Francisco que nos exortava no último dia nove de Agosto: “Jesus entrevê uma possibilidade de Ressureição mesmo para quem fez um monte de opções erradas na vida. Onde houver um homem e uma mulher sofrendo, Jesus vai querer sua cura, sua libertação e sua vida plena” E ainda no Angelus de nove de Julho: “Ele é o Descanso que buscamos! Quando Jesus entra na vida, chega a paz”.

Ofereço estas linhas à Ironi Spuldaro, meu filho, amigo, irmão e agora, também meu pai, que hoje me pediu que escrevesse. Você me conhece…Hoje, neste dia de jejum e oração, o Espírito está renovando também a minha esperança pela Igreja e pelo Brasil. Unidos pelo Avivamento, sempre a até o fim!”

 

PD

Festa da Independência, Ano Mariano 2017, a.D

Padre-Dudu-Braga

Já pensou no poder do teu voto?

“Menos de um mês nos separam das eleições municipais. É uma oportunidade para nossa população falar através das urnas. Não percamos a chance de ter uma participação ativa e consciente que resgate a política e eduque para cidadania. Recordemos que se trata de uma eleição sem o financiamento empresarial e regida pela lei da Ficha Limpa, relevantes conquistas da sociedade brasileira.
Vamos tentar partilhar nas próximas semanas alguns critérios que cristãos e homens de boa vontade devem levar em conta para votar dignamente.
Para começar nossa reflexão me utilizarei de uma comparação que os bispos filipinos fizeram entre os dez mandamentos e as eleições.

Vejamos:

Primeiramente, convidam a “não votar por um ateu ou por alguém que ofende o nome de Deus” e a não votar em candidatos que usam fazer promessas vazias, não mantidas.
Terceiro ponto: “as autoridades públicas devem garantir aos cidadãos um tempo destinado ao descanso e ao culto divino”; a quarta indicação recorda que os políticos têm o dever de promover políticas em favor da família.

Em relação ao mandamento “não matar”, o texto afirma que “um eleitor católico não pode votar em candidatos que se opõem à sacralidade da vida humana, desde a concepção até a morte natural”.

Sobre o sexto ponto, a Igreja recorda o compromisso em “promover a visão cristã da sexualidade e do matrimônio, com a dignidade e a autêntica liberdade de vida, realmente frutífera”. “O problema da população não é uma questão de números, mas de cuidado das pessoas e da melhoria de qualidade da vida humana”, recorda a mensagem.

Sobre o sétimo conselho, “não roubar”, os Bispos convidam a considerar candidatos não envolvidos em negócios sujos ou corrupção e apropriação indevida de dinheiro público; enquanto sobre o “falso testemunho” se convida a desconfiar das “mentiras da propaganda por parte de candidatos que enganam intencionalmente” para “receber o favor dos eleitores”. Enfim, o texto recorda o empenho necessário com o respeito da mulher e da dignidade humana e para libertar os cidadãos das consequências da pobreza.

Para escolher e votar bem é imprescindível conhecer, além dos programas dos partidos, os candidatos e sua proposta de trabalho, sabendo distinguir claramente as funções para as quais se candidatam. Dos prefeitos, no poder executivo, espera-se conduta ética nas ações públicas, nos contratos assinados, nas relações com os demais agentes políticos e com os poderes econômicos. Dos legisladores, os vereadores, requer-se uma ação correta de fiscalização e legislação que não passe por uma simples presença na bancada de sustentação ou de oposição ao executivo.

É fundamental considerar o passado do candidato, sua conduta moral e ética e, se já exerce algum cargo político, conhecer sua atuação na apresentação e votação de matérias e leis a favor do bem comum. A Lei da Ficha Limpa há de ser, neste caso, o instrumento iluminador do eleitor para barrar candidatos de ficha suja.

Vamos pensar bem; o poder para transformar este momento de crise pode estar passando pelas tuas mãos!

Deus te abençoe!
Padre Dudu

Unidos pelo Avivamento !”
Pe. Dudu

A1

Pokémon GO: Novidade? Vício? Ameaça? Alucinação? Absurdo? Por Padre Dudu.

“Os famosos “monstros de bolso” (tradução das palavras inglesas que formam a palavra Pokémon) são criaturas fictícias, imaginárias, que se tornaram uma verdadeira febre no final dos anos noventa nos vídeo games e desenhos. Até aqui, acredito que não haja novidade para ninguém.
Alguns falam de outra possível tradução: “Demônio de Bolso”. Também já disseram que o criador desses personagens, um japonês, após ter terminado o projeto, começou a viver como bicho, até ser internado em um hospício onde logo morreria por suicídio. Precisamos pesquisar…
A questão agora é a chegada (último dia 3 de Agosto) no Brasil do aplicativo “Pokémon GO” criado para os Smartphones. As propagandas dizem: “Finalmente Pokémon GO está entre nós, e é chegada a hora de aprender o máximo para se tornar mestre Pokémon”. Os apaixonados pelos jogos querem apenas uma coisa: “Alcançar o maior dos objetivos: Capturar os mais poderosos Pokémon”.
E a febre começou! Disponíveis já nas lojas online da Apple e do Google, o jogo já começou espalhar monstrinhos (ou diabinhos) pelas cidades todas (preferia anjos!). E a ideia é que os jogadores (na maior parte, crianças) andem pelas ruas procurando o Pokémon! Ah…até encontrá-los! Atenção pais! Pensem no teor e na proposta do jogo! Nem tudo que parece inofensivo, o é na realidade! Essa é a diferença do jogo! Se nossos filhos estavam escravos dos celulares e tablets em casa, agora sairão para as ruas à caça dos pokémons! Creio que era melhor meu tempo de criança em São Gonçalo quando íamos atrás das tanajuras ou das pipas; ao menos eram reais!
Essa mistura de realidade com o mundo virtual (mais virtual que real. Real mesmo só o aparelho celular) pode se tornar uma epidemia, um vírus, uma febre esdruxula. Serão quase (que me desculpem os jogadores) como zumbis circulando pelos espaços vazios capturando Pokémons, que até então totalizam em 250 tipos diferentes. Temos que pensar!
Alienação? Distanciamento da realidade? Exclusão do mundo real? “Idiotização social” como alguns falaram? Infantilização dos adultos? Tentativa de transformar o mundo real em um vídeo game gigante? Invasão de espaço? Tem até Pokémon na nossa Igreja, e nem a Apple nem o Google me pediram!!!
Temos que pensar! No Rio, o jogo começou exatamente antes das Olímpiadas! O Prefeito que não gosta de Maricá quer copiar os EUA, onde já aconteceram inúmeros acidentes, também no trânsito. Soube, através de uma amiga, de crianças atropeladas e caindo de janelas e escadas na tentativa de capturarem os pequenos demônios de bolso! Fora os assaltos aos celulares que triplicaram neste segundo dia de uso em São Paulo, por exemplo. Fanatismo? Insensatez? Guerra espiritual? Brincadeira? Mais um aplicativo? O tempo e os frutos dirão! O problema é que no Brasil, tudo tem proporções gigantes. Se isso for um mal, nos preparemos. Imagine Pokémon nas escolas, igrejas, mercados, praças, ruas, na praça de alimentação do shopping?
Capturar todos? Sair de casa? Podíamos aproveitar o ensejo para falar aos nossos filhos sobre a complexa realidade que a sociedade atravessa. Seria tão bom se eles voltassem a sair de casa para comprar o pão para os pais, os remédios para os avós. Se saíssem para recolher alimentos e agasalhos para os mais carentes. Se promovêssemos a “cultura do encontro” como pede o Papa Francisco!
Ah se eles saíssem com a mesma disposição para a Escola e a Igreja! Para o Culto e a Missa! Para a sala de aula! Imagina nossas crianças no recreio? O Fenômeno Pokémon ainda está no começo! Vamos, em contrapartida, ensinar nossos filhos a saírem de si, a procurarem Deus, e os amigos, os parentes, e a natureza real, os animais e as verdadeiras instituições que edificam e formam um ser humano para a batalha da vida!
Vamos à Caça do Avivamento do Bem, da necessidade do Próximo, do Real, do Evangelho e da Família, do trabalho justo e honesto, da Cultura da Vida e da Civilização do Amor! Vamos à busca de Deus, da Igreja e do estudo, do Perdão e da Paz! Deixemos que os monstros se ocupem e enterrem seus próprios monstros! Deixemos os demônios no inferno. Deixemo-nos no bolso do diabo. Nascemos de Deus e para Ele, nascemos para o Céu! Aplica-te ao Amor Real e sem fingimento!
Não perca tempo! Saia e espalhe a bondade real que está em você para todos os que pelos caminhos da vida você encontrar! Vá! A vida é curta! O mundo precisa! Saia! Para isso não é preciso nem telefone, nem rede, nem aplicativo, nem dinheiro! Vai humaniza com amor e por amor o ser humano que se coisificou, desumanizando-se.
Nada de monstros, apenas homens e mulheres novos pelo Amor!”

 

Padre Dudu

a2

A Culpa não é da Tocha! Por Padre Dudu

“Sim gente! A culpa não é da tocha! A tocha é neutra! Ela não governa o Brasil, o Estado, nem nossos municípios. Não foi ela também que elegeu nossos governantes. Se estamos em crise, a situação é um pouco mais complexa! Havendo culpa, essa deve recair sobre nós, cidadãos e sobre os que deveriam manter e administrar os bens públicos, nossos políticos! Quão ingênuo é culpar um objeto ou revoltar-se pelos quase 200 mil (que todos dizem) que podem ter saído dos cofres de nossas prefeituras… Quantos milhões foram desviados e nunca nos posicionamos; talvez em alguns casos porque também fomos beneficiados….

A dois dias antes de chegar ao Maracanã para a cerimônia de abertura dos Jogos do Rio de Janeiro, a tocha olímpica passeou por parte da cidade-sede e por redondezas, mais precisamente pela Baixada Fluminense, nesta quarta-feira. Foram cerca de 120 km percorridos e 207 pessoas conduzindo a chama, que saiu de Niterói em veleiro tripulado por ídolos da vela como Torben e Lars Grael e passou por Duque de Caxias, São João de Meriti, Nilópolis, Belford Roxo e Nova Iguaçu.
Alguns momentos tensos marcaram a trajetória. Na parte da tarde, protestos em Duque de Caxias obrigaram o carro de mídia a ficar fechado por um tempo. À noite, em Belford Roxo, um morador local tentou apagar a chama jogando cal e água. No mesmo local, explosões de bombas foram ouvidas, mas nada que comprometesse a integridade dos participantes. Manifestantes também apareceram em São João de Meriti, atirando copos e garrafas, e em Nova Iguaçu, arremessando lixo. Que bom que em Rio Bonito e em nossos Municípios vizinhos nada disso aconteceu!

Vamos terminar falando de coisa boa? Uma mensagem positiva, profética, portadora de esperança: O Papa Francisco, ao final da Audiência Geral desta quarta-feira (03/08), o Papa enviou uma mensagem ao povo brasileiro, por ocasião dos Jogos Olímpicos. Eis as palavras textuais do Papa:
“Queria agora dirigir uma saudação afetuosa ao povo brasileiro, em particular à cidade do Rio de Janeiro, que acolhe atletas e torcedores do mundo inteiro por ocasião das Olimpíadas. Diante de um mundo que está sedento de paz, tolerância e reconciliação, faço votos de que o espírito dos Jogos Olímpicos possa inspirar a todos, participantes e espectadores, a combater o bom combate e a terminar juntos a corrida (cf. 2 Tm 4, 7-8), almejando alcançar como prêmio não uma medalha, mas algo muito mais valioso: a realização de uma civilização onde reine a solidariedade, fundada no reconhecimento de que todos somos membros de uma única família humana, independentemente das diferenças de cultura, cor da pele ou religião. E aos brasileiros, que com sua característica alegria e hospitalidade organizam a Festa do Esporte, desejo que esta seja uma oportunidade para superar os momentos difíceis e comprometer-se a ‘trabalhar em equipe’ para a construção de um país mais justo e mais seguro, apostando num futuro cheio de esperança e alegria! Que Deus abençoe a todos!”

A Família Olímpica consta de 209 países e 1384 pessoas. Até refugiados de países como Sudão, estarão presentes. Oxalá que outra chama, a chama do Amor toque tantas pessoas que estiverem no Rio nestes dias. Impossível? Para o que Deus que é Amor, nada é impossível!

Acenda, em nós Senhor, a chama que ninguém apague! Ilumina o Rio e o Mundo com a Luz e o Fogo do Teu Espírito!”

 

Padre Dudu

Padre Dudu - Canção Nova.

Como viver bem a Semana Santa?

“Somos um país de raiz profundamente cristã. Nossa cultura e, nestes próximos dias, também o nosso calendário, nos dão prova disso. Não é possível construir uma sociedade verdadeira sem a referência e a vivência dos valores humanos e cristãos. Construir, pensar e legislar prescindindo de Deus é uma tolice que a história nos comprova. Deus é nosso melhor e maior Recurso!
Pois bem, aproximando-se da Semana Santa, partilho algumas intuições que podem nos ajudar a vivê-la como cristãos autênticos, ou, ainda, como homens e mulheres de boa vontade que possuem bases cristãs e respeito a Deus.
1- Ainda que você retire esses dias para o justo descanso viajando, não se esqueça de Deus! Sendo você cristão católico veja com antecedência os horários da programação local. Ao menos a Missa do Sábado de Aleluia deve ser vivida com intenso fervor e devoção. Se você for evangélico-protestante, não deixe de celebrar o Domingo de Páscoa. Medite também o mistério da Cruz do Senhor. Se você é um irmão ou irmã que está afastado ou não pratica nenhuma religião, que tal ler um dos relatos do Evangelho sobre a Paixão e Morte de Jesus ou assistir um Filme?
2- Gostaria de pedir algo aos jovens: Não façam nem participem de festas na Sexta Feira Santa! Seria um ato de desrespeito e ultraje ao Cristo Jesus. Neste dia, somos chamados ao recolhimento e a sobriedade. Ok?
3- Se você é educador ou pai, estes dias são oportunos para falar do Amor de Deus aos seus filhos! Precisamos tanto do Amor nestes tempos! Não permita que o coelho roube o lugar do Salvador! Se você é cristão, recorde-se dos nossos irmãos mais velhos, os judeus. A Páscoa judaica era o momento propício deles recordarem as maravilhas do Senhor, ensinando às novas gerações;
4- Em muitas famílias, ainda há o salutar costume do almoço dominical. Poder-se-ia aproveitar o Domingo de Páscoa para se realizar um grande almoço festivo, onde houvesse um momento de reconciliação coletiva e uma oração de ação de graças pela salvação que Jesus nos trouxe na Páscoa. Um Pai Nosso bem rezado pode alcançar tantos corações!
5- Nosso País, que possivelmente atravessa um dos momentos mais difíceis de sua história, foi descoberto no tempo da Páscoa. Os cristãos que frequentam a Casa de Deus, os homens e mulheres tementes a Deus que oram e rezam em suas casas, poderiam elevar um grande clamor a Deus pela restauração e avivamento da nossa nação. Há uma palavra bíblica que diz: “Se então o povo sobre o qual for invocado meu nome se humilhar, orar, me procurar e se converter de sua má conduta, eu escutarei do céu, lhe perdoarei o pecado e restituirei a saúde da terra” (II Crônicas 7, 14).
Nenhum brasileiro pode se omitir nesta hora! Jesus Ressuscitado abençoe a nossa Pátria e povo brasileiro livrando-nos das serpentes, cobras, jararacas e escorpiões. Maria pise a cabeça de todos eles e interceda pelo bem de nosso povo para que haja ordem e progresso, Páscoa verdadeira, e não apenas no calendário civil e religioso. Deus, salve o nosso povo! Deus, salve o Brasil! Queremos uma Semana Santa, um Ano Santo, uma Nação Santa! Lave a jato todo mal! Amém!”

Por Padre Dudu

Padre Dudu - Canção Nova.

Apenas chuvas fortes?

“O que está acontecendo com o planeta? A violência que está no coração do homem está produzindo a pior de todas as chuvas: A chuva da maldade e da indiferença, do lucro e da ganância, do abandono e do desamor! Crescemos com a falsa informação de que somos proprietários e dominadores da natureza! Esquecemos que um crime contra a natureza é um crime contra Deus e o próprio homem!
As soluções não podem apenas ser políticas ou técnicas. O mundo, diz a Encíclica sobre do Meio Ambiente do Papa Francisco, é mais que um problema a resolver; é um mistério gozoso que contemplamos na alegria e no louvor. Deus é menos louvado e reconhecido quando a natureza é destruída, manipulada e desestruturada.
A poluição voluntária e desmedida, os resíduos domésticos e comerciais não cuidados, a cultura do descarte que afeta tanto seres humanos excluídos da sociedade estão colocando em risco o futuro da humanidade. O aumento do aquecimento global, a escassez da água, o processo de desertificação…A sociedade globalizada é chamada a ter uma nova consciência de mudança de estilo, de comportamento de vida!
Em tantos casos verifica-se uma indiferença diante das tragédias. São os mais pobres os que mais sofrem! Tantos problemas mascarados ou negligenciados pelo poder público? Quanta irresponsabilidade também do cidadão. Em nossa cidade virou cena comum vermos sofás e colchões nas calçadas e nos terrenos baldios. Agrava o fato de não termos nem mesmo um lugar de despejo para tais objetos. Não temos aterro sanitário apropriado. Ainda em 2016, irmãos não possuem saneamento básico! Garrafas pets? Parece um festival! A degradação social gera a degradação ambiental. A crise ambiental é crise antropológica! Salvaremos o criado se o homem for convertido! O Papa fala hoje de “conversão ecológica”.
Falando aos prefeitos de muitas partes do mundo, ele dizia: “Não se pode separar o homem de todo o resto, pois existe uma relação que incide de maneira recíproca: o meio ambiente sobre a pessoa e a pessoa sobre o meio ambiente”.
Nossos municípios estão gemendo com o início daquilo que pode ser um anúncio de uma catástrofe ambiental. O grito dos mais pobres ainda não se faz ouvir? Nossos prefeitos, vereadores e secretários? Estão em seus gabinetes e salas? Preferem seu ar condicionado e sua zona de conforto ou estão no meio do nosso povo? Pisam o chão de nossa gente ou tomam café com eles apenas nos anos eleitorais? Vocês visitam os moradores mais necessitados antes, durante e depois das chuvas? Delegam funções e mandam em vosso lugar ou tocam na carne o sofrimento dos irmãos? Alguém de nós sabe o que é amanhecer sem nada? Já perdemos nossos bens materiais? Nossos parentes morreram eletrocutados por negligência? A privatização de nossas estradas está acima da dignidade da vida? Água, roupa e colchão não darão solução plena!
Essa luta é de todos: Poder público, sociedade civil, igrejas cristãs, homens e mulheres de boa vontade. Cuidar agora. Criar uma nova cultura agora. Administrar com responsabilidade, zelo, ternura e eficácia. Não poluir meu ambiente. Pensar nas próximas gerações. Viver a ecologia cotidiana diante do meio ambiente e do próximo. Viver o Evangelho! Quantos ‘pastores’ incapazes de estarem com seu povo também nessas horas, São lobos que querem a lã e o leite. Seremos julgados!
Deus nos salve da hipocrisia, crie em nós um espírito forte e corajoso. Livre-nos das piores chuvas. Traga-nos chuvas de bem, de solidariedade, de responsabilidade pessoal e política, de amor, de comunhão, inciativas de perdão e paz, criatividade generosa e dignificante. Cessem as mortes prematuras e não queridas por Deus! Seja avivada e esperança inquebrantável e a fé operosa! Governos, Famílias, Igrejas, Instituições, Homens e Mulheres sensatos, despertemo-nos e levantemo-nos; trabalhemos, antes que sejamos carregados pelo dilúvio definitivo como no tempo de Noé!”

Padre Dudu

Padre Eduardo Braga.

Padre Dudu representa a Igreja que ensina, liberta e cuida

No dia 28/02/2016 (domingo), fui convidado por minha mãe para acompanha-la ao almoço beneficente, o qual se realizou no Recanto Sacerdotal Jesus Bom Pastor, em Itaboraí.  Inicialmente, a proposta era um almoço beneficente, objetivando levantar fundos para a manutenção do Recanto Sacerdotal, cuja finalidade é dar o mínimo de conforto e abrigo aos padres aposentados, que dedicaram sua vida ao sacerdócio. Todavia, quando cheguei ao Recanto, fui surpreendido pelo amor e pela fraternidade das pessoas, que trabalham, se doam e mobilizam outras em nome da caridade.

E assim, o aniversariante do dia, que era o Padre Dudu, acabou me dando um presente com o evento, enquanto que, a cada minuto, eu ia desembrulhando a caixa imaginária para ver a surpresa que estava no seu interior, sendo apresentado ao recanto sacerdotal, com seus cômodos e sua simplicidade, testemunhando que o ser humano pode fazer maravilhas, quando é direcionado pela graça de uma comunidade, que se preocupa mais com o próximo e o estranho do que consigo mesma.

Lembro-me que Padre Dudu se sentou à mesa, e falava sobre a experiência da recente missão apostólica na Ilha Marajó, cujos moradores daquela região tiveram acesso à saúde médica e bucal pela primeira vez em suas vidas, através do projeto, enquanto que a singularidade ficava mais evidenciada quando uma senhora de 78 anos materializava tamanha carência por parte das políticas públicas. E, de uma forma muito lúcida, o pároco me apresentava uma Igreja que não cuida somente do espírito e da alma, mas do corpo dos indivíduos e da sociedade.

No mais, gostaria de agradecer pela experiência salutar e pelo acolhimento.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

formandos

O Transporte Universitário Riobonitense precisa da sua ajuda

Há 20 anos que estou vendo o transporte universitário riobonitense ser manipulado, objetivando provocar o controle da juventude às vésperas das eleições. Por isso, não seria diferente em 2016.

A prefeita, Solange Pereira de Almeida, prometeu trazer o SENAI e a Escola Técnica (IFF)  para Rio Bonito, investindo na juventude e na capacitação dos cidadãos. Todavia, seus planos foram redirecionados à Faculdade Cenecista, cuja obra ainda está no esqueleto, no polo industrial do Município. Em contrapartida, a saúde e a educação estão abonadas desde o governo de José Luiz Alves Antunes (Mandiocão), enquanto que o atual governo intensificou o problema, com sua postura apática e sem planejamento, tendo em vista que só há espaço para o asfalto, a pedra brita e o concreto. Entretanto, as obras realizadas de lá para cá não agregam valor estratégico ao Município, deixando de gerar emprego e capital de giro para fazer a manutenção da cidade. E assim, alegam a falta dos recursos, mesmo com o salto da folha de pagamento dos R$5,6 milhões, em 2013, para os R$8,0 milhões por mês em 2014.

O transporte universitário tem sido a única solução lógica para a cidade abandonada, quando o tema é, justamente, a capacitação e o futuro da nossa juventude. Independentemente da quebra de braço entre o governo e os universitários, está na hora da sociedade tomar uma posição legítima quanto ao assunto, mobilizando os pais dos alunos, as associações dos moradores, a Agenda 21, a Comunidade Católica e Protestante, os Sindicatos dos Professores, a CDL, a ASCIRB, a Câmara Municipal e a maçonaria, objetivando apoiar a causa desses jovens, transformando o transporte universitário em políticas públicas, por força da Lei, garantindo a continuidade do serviço às futuras gerações.

A verdade é que a prefeita tomou uma posição ditatorial, querendo desqualificar a legitimidade das manifestações, transformando-as em eventos políticos e partidários. Mas, os universitários são adolescentes e jovens, que ainda não possuem a maturidade necessária para o embate. É o dever da sociedade organizada e de todos os pais participarem do movimento, constituindo uma comissão mista, para auxiliá-los na luta pela manutenção do transporte universitário hoje e amanhã, para as futuras gerações.

Nesse momento em diante, estou trazendo o problema à sociedade. Agora, caberá a sociedade decidir se os nossos jovens são merecedores, ou não, do apoio, da instrução e da participação das instituições, associações e dos cidadãos.

 

Por Nadelson Costa Nogueira Junior