Todo mundo tem aquele sonho capitalista de ficar milionário, de não ter  que trabalhar nunca mais para se manter, de ter status, roupas de grifes famosas, carros importados e muitas mulheres.  Qual homem não se fantasiou com tais sonhos em sua vida, mesmo que não fosse por um único segundo?  Sem dúvida, a tentação mora ao lado e, às vezes, ela está dentro de nossos lares através das mensagens inseridas nos filmes, nas novelas, nas revistas e nos outdoors.  Vivemos numa cultura que valoriza a imagem e que nos vende ilusões constantemente.   Nem as religiões conseguiram se afastar de tal maldição;  trabalhando com a aparência do templo, a organização das cadeiras, as cores e tonalidades das paredes, altura do tablado, além da necessidade de expandir a ideologia através da mídia, se utilizando da música gospel.  Não satisfeitos,  alguns lideres religiosos compraram emissoras de televisão, rádios na frequência AM e FM, e vão expandindo o Reino de Deus… Bem, pelo menos, essa é a imagem transmitida àqueles que estão do outro lado da moeda:  os necessitados, os desempregados, os assalariados, os doentes, os enfermos, os hipócritas, os gananciosos e os inocentes.  São tantos valores misturados que não se consegue separar o joio do trigo; porque, no final, o que vale é a intenção.

No processo histórico da humanidade, a fé sempre esteve incorporada a alguma estrutura física;  combatendo o próprio princípio da fé, que é acreditar naquilo que não se vê.   No antigo testamento, Moisés precisou trazer as pragas ao Egito para que tanto os egípcios quanto os hebreus acreditassem.  Mesmo assim, os hebreus colocaram Deus e sua fé em jogo no deserto.   Moisés dedicou sua vida ao divino, mas, quando estavam quase chegando à terra prometida, ele apressou a vontade divina, num momento de dúvida, batendo três vezes numa pedra para que dela saísse água.  Bem…  Da pedra saiu água, mas Deus não teve misericórdia da dúvida de Moisés, não lhe permitindo chegar vivo à terra prometida.  Ainda, no Antigo Testamento, Davi idealizou a Casa de Deus para guardar o tabernáculo e os mandamentos dados  a Moisés.   Davi estava fadado a liderar Israel na força e na espada.  Somente Salomão, seu filho, conseguiu concretizar tal sonho.   E os Judeus deveriam agora se voltar ao Templo de Salomão para encontrar o divino.  Mas quem determinou isso?  Foi o homem ou Deus?  No fim, isso não tem a menor importância, porque civilizações inteiras se dedicaram à construção do Templo.   Inúmeras pessoas acreditaram nessa ideia e gastaram tempo e riqueza para isso.   Logo, o  Templo de Salomão foi construído com pedra, argamassa, pedras preciosas, madeira e, principalmente, fé.

Decerto, é possível se materializar a fé pessoal e coletiva.  Mas, quantas civilizações inteiras já desapareceram e ainda desaparecerão?  O Templo de Salomão foi destruído.  Diz a história que não ficou pedra sobre pedra.  A imagem e a materialização da fé haviam desaparecido naquele momento, embora a ideia e a fé pura se mantivesse inabalada na memória e na vida de alguns.

Voltando ao início desta epistola, todo mundo quer viver afastado da ideia da morte e da velhice.  Quando se é jovem, se desafia o mundo e as regras da realidade.  Quando se tem poder, o indivíduo passa por cima de tudo e de todos para comprovar sua capacidade de comando, caso contrário, não haveria sentido na eminência e na existência do próprio poder, que é afrodisíaco.  Todavia, tanto o poder como a própria riqueza material são uma grande armadilha;  pois, no final, todos ficarão velhos e dependerão de outros.  Alguns serão amados, enquanto que outros, odiados.  Finalmente, virá a morte, cedo para alguns e pontual para outros…   E, mesmo que o seu caixão seja de ouro ou que seu funeral tenha honras e louvores, no momento em que o corpo tocar a terra, todos tomarão ciência da ironia da realidade;  porque, no final, todos são iguais…  Todos nós viraremos adubo de planta e retornaremos à natureza que, na maioria das vezes, ajudamos a destruir.  Esse é o princípio da carbonização da natureza.   Tal princípio ocorreu, em massa, com os dinossauros e acontece com todos os seres vivos diariamente e em doses homeopáticas.  Os evolucionistas chamam tal princípio de CADEIA  ALIMENTAR, se baseando na lei do mais forte.  Os religiosos acrescentam tal princípio a ideia do pecado e da cobrança divina.   Decerto, ambos estão com a razão;  pois a morte é um ato de justiça divina quando acontece de forma natural.  Ela é o acerto de contas da matéria com a natureza.

Se a morte se materializasse diante de seus olhos e lhe dissesse que sua hora chegou, mas, se você abrisse mão de sua fortuna toda, ela te daria mais tempo de vida;  sem dúvida alguma, qualquer pessoa, em tal situação, aceitaria o acordo.   Logo, em nome da ganância, muitas pessoas enriquecem e perdem o afeto ao semelhante, abandonam suas responsabilidades familiares e se tornam os escravos do dinheiro.   Talvez, o dinheiro possa comprar quase tudo.  Mas, uma coisa é certa:  O dinheiro não pode comprar a morte como, muito menos, recuperar o tempo perdido ou apagar os arrependimentos do espírito.  Por isso, meu caro leitor, viva em plenitude.  Seja um bom pai ou mãe…  Seja um bom cidadão e, se possível, uma boa pessoa…   Ame o próximo intensamente;  porque é só o amor e a fé no divino que permitem os sonhos se realizarem.   Afinal, a história dos homens não foi feita de dinheiro, que é a materialização da ganância, e sim, de pessoas comuns que lutaram e trabalharam muito em nome de suas famílias.

Write A Comment

Pin It