No Japão, as pessoas morrem de exaustão no trabalho

35
5551

Estamos acostumados a idolatrar o modelo japonês na inovação, na produção e no trabalho. Simplesmente, colocamos o Japão no topo das teorias e dos modelos da produtividade e da qualidade total, copiando, literalmente, suas práticas organizacionais, através do modismo das certificações na qualidade total.

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, o país do sol nascente investe sua energia na educação, objetivando formar as gerações subsequentes de cientistas e trabalhadores dedicados, colocando o oriente entre as nações mais competitivas, inovadores e produtivas do planeta. Todavia, diante da velocidade da informação e da guerra silenciosa entre as grandes corporações pelo mundo, torna-se imperativo que cada trabalhador se dedique ainda mais à empresa, com seus conceitos de eficiência, eficácia e produtividade, focalizando sempre o cliente, compreendendo suas opiniões, aspirações e tendências no mercado consumidor.

A verdade é que na busca pela otimização, o sonho japonês se tornou um pesadelo, enquanto que a taxa de suicídio dos trabalhadores, alegando a exaustão devido ao excesso das horas extras, está se transformando em objeto de estudo da sociologia, da antropologia industrial e psicologia organizacional, enquanto que o fenômeno já é popularmente conhecido pelos japoneses como “karoshi”.

Pelas leis trabalhistas japonesas, há o limite de setenta horas extras por mês, enquanto que muitos trabalhadores ultrapassam o limite, deixando de computar o excedente, para não prejudicar a empresa, principalmente, num período assombrado pela crise global nos recursos naturais e energéticos.

Não poderia deixar de associar a realidade japonesa à brasileira, uma vez que o governo federal está articulando no Congresso Nacional para dar maior liberdade nas relações contratuais trabalhistas entre o patrão e o empregado, além de elevar a jornada de trabalho de 8 para 12 horas diárias, o que deixaria o Brasil com a jornada semanal de 60 a 72 horas semanais, sem o cômputo das horas extras.

No Japão, temos os karoshis cometendo suicídio por exaustão no trabalho, com a maior incidência no universo dos trabalhadores com menos de 32 anos de idade, numa sociedade tecnológica, cuja tradição focaliza a perfeição. Por outro lado, no Brasil, temos o conflito entre as gerações X, Y e Z, com leis trabalhistas e modelos produtivos ultrapassados, sociedade anônimas frágeis diante da legislação empresarial e as peculiaridades culturais da política e da economia brasileiras. De um lado, uma cidade de 50.000 habitantes é reconstruída em meses após os abalos sísmicos de um terremoto. Do outro, uma obra que duraria um trimestre é entregue com dois, podendo chegar a cinco anos de atraso, produzindo altos custos para manter o mercado de trabalho formal em andamento, porque o atual modelo não se sustenta.

Por Nadelson Costa Nogueira Junior

35 COMMENTS

  1. Hi there friends, how is everything, and what you wish for to say regarding this piece of writing, in my view its genuinely amazing designed for me. Corie Hadlee Castle

  2. After checking out a number of the articles on your web site, I truly like your way of writing a blog. I bookmarked it to my bookmark site list and will be checking back in the near future. Take a look at my website too and tell me what you think. Illa Warren JoAnne

  3. Hey would you mind sharing which blog platform you’re using?
    I’m looking to start my own blog soon but I’m having a hard ttime deciding
    between BlogEngine/Wordpress/B2evolution and Drupal. The reason I ask is because your designn and style seems different then most blogs and I’m looking for something completely unique.
    P.S My apologies for getting off-topic but I had to ask!

    my site – Trapianto di capelli con zaffiro Fue in Turchia

  4. I’m reeally enjoying the theme/design of your web
    site. Do you ever run into any browser compatibility problems?
    A small numer of my blog visitors have complained about my
    website not working correctly in Explorer but looks
    great in Opera. Do you have any tips to help fix this
    problem?

    My web page brust op türkei

  5. I’ve been browxing online more than 3 hours today, yet I never found any interesting article like yours.
    It is pretty worth enough for me. In my opinion, if all web owners and
    bloggers made good conttent as you did, tthe net will be much more usful than eger before.

    Here is my homepage; yeminli tercüme

  6. Wonderful beat ! I wish to apprentice even as you amend youir site, how could
    i subscribe for a blog site? The account helped me a applicable deal.
    I had been tiny bit familiar of this yohr
    broadcast probided vibbrant clear idea

    Feel free to visit my homepage –yes no wheel

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here